vírus

França considera adotar medidas de contenção do ebola

Hollande discutiu com Obama sobre a possibilidade de começar a monitorar passageiros vindos da Libéria, Guiné e Serra Leoa

Karol Albuquerque
Karol Albuquerque
Publicado em 13/10/2014 às 20:06
Foto: AFP
Hollande discutiu com Obama sobre a possibilidade de começar a monitorar passageiros vindos da Libéria, Guiné e Serra Leoa - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A França e outros países europeus estão considerando seguir os passos dos EUA e do Reino Unido e começar a vistoriar passageiros que chegarem em voos de países da África Ocidental mais atingidos pelo ebola. 

O presidente francês, Francois Hollande, afirmou nesta segunda-feira (13) que discutiu em telefonema com o presidente americano, Barack Obama, a possibilidade de começar a monitorar passageiros vindos da Libéria, Guiné e Serra Leoa.

Em Bruxelas, a União Europeia (UE) anunciou que autoridades de saúde vão se reunir na terça-feira para definirem como podem cooperar para conter o vírus. O porta-voz da UE, Frederic Vincent, afirmou que eles iriam discutir se há a necessidade de monitorar passageiros em aeroportos.

Além de conversar com o Hollande, Obama se reuniu nesta segunda-feira com conselheiros na Casa Branca para discutir o surto do Ebola. Ele também falou por telefone, separadamente, com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, sobre o tema.

Obama pediu mais esforços globais para combater a doença. Ele também reforçou que é necessária rapidez na investigação sobre o segundo caso de ebola nos EUA para que uma falha similar de protocolo não aconteça. A confirmação de uma segunda vítima do vírus no fim de semana aumentou as preocupações sobre a capacidade do país em conter a contaminação da doença. 

Na reunião com os conselheiros, a secretária do Departamento de Saúde e Serviços Humanitários dos EUA, Sylvia Burwell, e Tom Frieden, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês), "pediram o aumento de equipe e de outros recursos em Dallas para auxiliar nas investigações, assim como outras medidas para aumentar o alerta e melhorar o treinamento para trabalhadores de saúde em todo o país", de acordo com a Casa Branca.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias