Luxemburgo

LuxLeaks: presidente da Comissão Europeia em apuros após revelações

Juncker afirmou que empresas que evadem impostos através de um sistema armado em Luxemburgo quando era primeiro-ministro

Da AFP
Da AFP
Publicado em 10/12/2014 às 11:25
Foto: FREDERICK FLORIN  AFP
Juncker afirmou que empresas que evadem impostos através de um sistema armado em Luxemburgo quando era primeiro-ministro - FOTO: Foto: FREDERICK FLORIN AFP
Leitura:

O presidente da Comissão Europeia, o luxemburguês Jean-Claude Juncker, ficou novamente no olho do furacão nesta quarta-feira após novas revelações de empresas que evadem impostos através de um sistema armado em Luxemburgo quando era primeiro-ministro.

Vários meios de comunicação internacionais publicaram na noite de terça-feira novas revelações sobre o escândalo LuxLeaks de otimização fiscal maciça praticada por empresas multinacionais em Luxemburgo.

Estas revelações, que apontam, entre outros, contra Skype e Walt Disney, ocorrem na véspera do juramento oficial como presidente da Comissão Europeia de Jean-Claude Juncker, primeiro-ministro de Luxemburgo no momento destes incidentes (2003-2011).

"Objetivamente estou enfraquecido, já que o LuxLeaks leva a crer que teria participado de manobras que não correspondem às regras elementares de ética e moral", reconheceu Juncker em uma entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal francês Liberation.

Juncker se defendeu lembrando que 22 dos 28 países da UE praticam o "tax ruling".

Este mecanismo legal, conhecido como decisões fiscais antecipativas, consiste em acordos entre a administração fiscal de um país e empresas multinacionais que permitem às companhias reduzir a tributação da renda.

"Não gostaria que me tratassem de uma maneira isolada. (...) Todos estavam equivocados, já que não reagimos à disparidade de normas fiscais nacionais que permitiram às empresas multinacionais" agir desta forma, disse Juncker, segundo o jornal.

Com base em 28.000 páginas de documentos obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), quarenta meios de comunicação revelaram no início de novembro que entre 2002 e 2010 Luxemburgo fechou acordos fiscais com mais de 340 multinacionais, entre elas Apple, Amazon, Ikea, Pepsi, Heinz, Verizon e AIG, assim como dois bancos brasileiros, Bradesco e Itaú-Unibanco, para diminuir seus impostos.

As novas revelações envolvem 35 empresas, entre elas Skype, Walt Disney, Koch Industries, mas também o canadense Bombardier e a Telecom Italia. Referem-se a acordos selados com Luxemburgo entre 2003 e 2011.

Nesta quarta-feira Luxemburgo reagiu afirmando que apoia a vontade da Comissão Europeia de apresentar rapidamente um projeto de diretiva sobre a troca automática de informações em matéria de decisões fiscais antecipativas.

O Grão-Ducado afirma que já troca, "de maneira espontânea ou a pedido", informações com França e Bélgica.

No mês passado, Juncker se comprometeu a apresentar uma lei europeia neste sentido. As três primeiras economias da Eurozona (Alemanha, França e Itália) pediram que ela esteja pronta no fim do ano.

Em outra entrevista, publicada nesta quarta-feira pelo jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, Juncker evoca o próximo verão para a apresentação desta iniciativa.

"Não sou o arquiteto deste sistema, mas sou politicamente responsável", havia afirmou Juncker há algumas semanas. 

O presidente da Comissão foi primeiro-ministro de Luxemburgo entre 1995 e 2013. Logo depois de assumir seu cargo em Bruxelas precisou enfrentar uma moção de censura apresentada pelo grupo de eurodeputados antieuropeus, que foi rejeitada pelo Parlamento Europeu.

A Comissão Europeia lançou em junho de 2013 uma série de investigações sobre este regime de otimização fiscal aplicado, entre outros, pela Irlanda na empresa Apple, pela Holanda na Starbucks e por Luxemburgo na Amazon e Fiat.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias