oriente médio

Guerra civil na Síria danificou patrimônio histórico, avalia ONU

O relatório documenta danos a locais tombados pela Unesco na porção norte da cidade de Aleppo

Karol Albuquerque
Karol Albuquerque
Publicado em 23/12/2014 às 17:42
Foto: UNITAR-UNOSAT / AFP
O relatório documenta danos a locais tombados pela Unesco na porção norte da cidade de Aleppo - Foto: UNITAR-UNOSAT / AFP
Leitura:

Fotos de satélite mostram que ao menos 290 sítios históricos do país foram danificados pela guerra civil -24 deles estão totalmente destruídos, 189 foram moderadamente danificados e os 77 restantes também estariam em más condições.

A informação foi divulgada nesta terça (23) pela Unitar, instituto da ONU para informação e pesquisa.

Com uma história que remonta à de grandes impérios do Oriente Médio, o território da Síria encerra importantes sítios culturais e prédios históricos atingidos pelo conflito que já dura três anos. Esse é o caso da mesquita Omíada, na cidade de Aleppo, habitada há 7.000 anos.

"Esse é um testemunho alarmante do dano à que está submetida a vasta herança cultural da Síria", diz o relatório da Unitar. "Esforços nacionais e internacionais para a proteção dessas áreas precisam ser efetivados para salvar da destruição locais que são patrimônio da humanidade", conclui o documento.

Conflitos entre as forças fiéis ao presidente Bashar al-Assad e rebeldes deixam um rastro de destruição por todo o país, e mesmo túmulos na cidade de Palmira, em meio ao deserto, e templos da época romana foram danificados.

O relatório documenta inclusive danos a locais tombados pela Unesco na porção norte da cidade de Aleppo.

Combatentes dos dois lados têm usado velhas fortalezas como bases militares, e o Exército também posicionou atiradores de elite na cidadela de Aleppo, um dos maiores e mais antigos castelos do mundo.

Forças insurgentes usaram um castelo da época das cruzadas, o Crac des Chevaliers, de 900 anos, em suas operações até que o Exército de Assad o retomou em março, depois de meses de bombardeios. Damasco, a capital do país e uma das maios antigas cidades continuamente habitadas em todo o mundo, sofreu muitos danos.

Imagens de satélite do Programa Operacional de Aplicações por Satélite (Unosast), do Unitar, analisaram 18 zonas, seis delas consideradas patrimônios da humanidade pela Unesco.

A antiga cidade de Bosra e sítios arqueológicos que remontam ao período bizantino no norte da Síria também foram danificados, de acordo com a Unitar. E há sítios arqueológicos que, considerados hereges pelos radicais muçulmanos sunitas, foram por eles destruídos.

Maamoun Abdulkarim, autoridade síria para antiguidades e museus, disse à agência Reuters que no ano passado centenas de artefatos de até 10 mil anos de existência foram removidos para locais seguros para serem protegidos.

A ONU diz que mais de 200 mil pessoas foram mortas nos conflitos na Síria desde março de 2011.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias