oriente médio

Governo sírio intensifica bombardeios em áreas controladas por radicais

O ataque foi feito pelo governo de Bashar al-Assad, que intensificou os ataques aéreos contra territórios ocupados pelo EI

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 26/12/2014 às 14:44
Leitura:

Ao menos 45 civis foram mortos e outros 175 ficaram feridos após um bombardeio aéreo na quinta a cidade de al Bab, do norte da Síria, controlada pelo grupo Estado Islâmico (EI).

O ataque foi feito pelo governo de Bashar al-Assad, que intensificou os ataques aéreos contra territórios ocupados pelo EI.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos apontou aumento dos bombardeios feitos por aviões sírios em áreas ocupadas pelo EI nos últimos dias. De acordo com a entidade, foram ao menos 470 ataques e 110 civis mortos nas últimas 72 horas.

No dia de Natal, helicópteros e aviões de guerra lançaram bombas de barril --feitas de tambores de aço cheios de estilhaços e de explosivos-- em áreas residenciais e industriais na cidade de al Bab, que fica ao nordeste de Aleppo e tem cerca de cem mil habitantes.

"Não havia pessoas armadas no mercado. Apenas gente pobre. Por que Assad está nos matando? Que Deus possa se vingar dele", disse Yousef al-Saadi, um morador da região atingida e voluntário de um grupo de defesa civil local.

Em outra ação, onze pessoas, a maioria mulheres e crianças, foram assassinados por atiradores de elite quando tentavam deixar Zebdin, área rural nos arredores de Damasco ocupada por rebeldes.

A mídia estatal da Síria não mostrou os ataques à al Bab. A cidade se tornou alvo de artilharia pesada do governo sírio desde que uma campanha militar contra o Estado Islâmico, liderada pelos EUA, foi iniciada em setembro.

"O regime busca ganhos de território para melhorar suas posições de negociação em futuras negociações políticas", analisa Rami Abdul Rahman, chefe do Observatório Sírio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias