Guerrilha

Ataque contra quartel militar deixa 5 mortos no Mali

Homens armados entraram com bastante facilidade no quartel

Da AFP
Da AFP
Publicado em 05/01/2015 às 11:38
Leitura:

Ao menos cinco pessoas morreram nesta segunda-feira no ataque de um grupo armado não identificado contra o exército malinês no centro do país, perto da fronteira com a Mauritânia, indicaram à AFP diversas fontes.

"Os criminosos atacaram cedo nesta segunda-feira as posições do exército malinês em Nampala (530 km a nordeste de Bamaco). Ao menos cinco pessoas morreram", declarou à AFP um funcionário da prefeitura de Nampala que pediu o anonimato.

"No momento, não posso dizer exatamente a qual grupo os mortos pertencem. Todos vestem roupa militar", disse esta fonte, que acrescentou que dois soldados malineses ficaram feridos.Uma fonte militar da missão da ONU no Mali (Minusma) confirmou a morte de cinco pessoas.

Os homens armados chegaram às 06h15 locais (04h15 de Brasília) e "entraram com bastante facilidade no quartel militar de Nampala situado a sudeste da localidade. Abriram fogo. Parece que o exército malinês respondeu", disse esta fonte.

"Às 11h00, os criminosos se retiraram da localidade de Nampala", acrescentou. Um funcionário do ministério da Defesa confirmou em Bamaco que o ataque ocorreu em uma zona onde vários grupos armados seguem agindo. 

"Nossas posições foram atacadas nesta manhã por criminosos em Nampala. Enfrentamos o inimigo e reforços abandonaram uma localidade vizinha para ir a Nampala", declarou este funcionário, que se negou a fornecer mais detalhes.

O norte do Mali caiu em 2012 nas mãos de grupos jihadistas vinculados à Al-Qaeda, que foram expulsos, em sua maioria, por uma operação militar liderada pela França em janeiro de 2013, a operação Serval. A operação francesa Barkhane tomou seu lugar em agosto de 2014 e atua na zona do Sahel. No entanto, continuam ocorrendo ataques, sobretudo contra as tropas estrangeiras.

No domingo, seis soldados nigerianos da ONU ficaram feridos por um artefato explosivo na região de Gao, no nordeste, no mesmo dia em que homens armados incendiaram quatro caminhões da organização, indicou a ONU.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias