Minoria

Bebê cigana é enterrada em cemitério da periferia de Paris

Pequeno caixão branco com os restos de Maria Francesca, de dois meses e meio, foi sepultado na localidade de Wissous

Da AFP
Da AFP
Publicado em 05/01/2015 às 12:35
Leitura:

Uma bebê cigana que morreu em dezembro foi enterrada nesta segunda-feira na periferia de Paris, em meio a uma grande polêmica depois da proibição do enterro no cemitério municipal da localidade onde vivem seus pais.

O pequeno caixão branco com os restos de Maria Francesca, de dois meses e meio, foi sepultado na localidade de Wissous, sul de país. A morte da bebê, filha de pais romenos, ganhou repercussão em função da suposta negativa da prefeitura local em deixar que o enterro fosse realizado no cemitério municipal.

O caso foi comentado pelo primeiro-ministro Manuel Valls, que criticou que "negar sepultura a uma criança devido a suas origens é um insulto a sua memória, um insulto ao que a França é".

O prefeito de Champlan desmentiu as acusações e ofereceu condolências e um local para o enterro, mas a família do bebê preferiu sepultá-lo em Wissous, a poucos quilômetros de lá. 

Os pais da criança, que têm mais dois filhos, vivem um acampamento na periferia de Champlan, perto do aeroporto de Orly, sem luz ou água.

A menor teve morte súbita na noite de 25 de dezembro no hospital da localidade vizinha de Corbeil-Essonnes.

O fato gerou polêmica entre as associações de defesa dos direitos humanos e as organizações contra o racismo e de apoio aos ciganos, comunidade que reúne 20 mil pessoas na França.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias