Saúde

Ex-líder de Taiwan Chen Shui-bian deixa prisão em liberdade condicional

Em abril do ano passado, Chen foi internado no hospital da prisão depois de ter sido diagnosticado com depressão severa

Da AFP
Da AFP
Publicado em 05/01/2015 às 7:21
Foto: AFP
Em abril do ano passado, Chen foi internado no hospital da prisão depois de ter sido diagnosticado com depressão severa - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O ex-líder de Taiwan Chen Shui-bian foi colocado nesta segunda-feira em liberdade condicional por razões médicas, depois de completar seis anos de prisão por crimes imputados durante sua presidência.

Chen, de 64 anos e que dirigiu Taiwan entre 2000 e 2008, abandonará o hospital da prisão durante a tarde devido ao seu estado de saúde, declarou o vice-ministro da Justiça, Chen Ming-tang, mas serão realizados exames médicos mensais.

Como líder do Partido Democrático Progressista (PDP), em 2000 colocou fim a mais de meio século de governo do partido nacionalista Kuomintang, para ser reeleito em 2004, mas após seu segundo mandato foi condenado à prisão perpétua por corrupção. Posteriormente, a pena caiu para 20 anos de prisão.

Em abril do ano passado, Chen foi internado no hospital da prisão depois de ter sido diagnosticado com depressão severa e, além disso, pode ter desenvolvido mal de Parkinson. Em junho tentou se suicidar se enforcando com uma toalha em um banheiro do hospital.

"A equipe médica (independente) considera que Chen deve sair de sua situação atual na qual o tratamento médico aplicado não é eficaz (...) razão pela qual sua liberdade condicional foi decidida...", afirma um comunicado.

Os partidários de Chen intensificaram recentemente uma campanha para obter sua liberdade antecipada. Chen havia sido condenado em 2009 por desvio de fundos estatais, lavagem de dinheiro e suborno. Sua mulher e seu filho também foram julgados.

Na época, garantiu que "se tratava de uma perseguição política". Defensor fervoroso da independência de Taiwan frente à China, o ex-chefe de Estado acusou o atual governo taiwanês pró-China de organizar uma caça às bruxas e se vingar dele desta maneira.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias