economia

Tsipras expõe programa antes de semana crucial para dívida grega

Credores pressionam o novo governo para que respeite os compromissos anteriores de reformar e sanear as contas públicas em troca de uma ajuda financeira

Da AFP
Da AFP
Publicado em 08/02/2015 às 11:14
Leitura:

O novo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, irá expor neste domingo (8) a política geral de seu governo, centrada nas medidas no curto e médio prazo, três dias antes de negociações cruciais com seus sócios europeus sobre a dívida grega.

O discurso de Tsipras perante os 300 deputados do Parlamento, previsto para as 17h00 GMT (15h00 de Brasília), é muito esperado por parte dos credores, a UE e o FMI, que pressionam o novo governo para que respeite os compromissos anteriores de reformar e sanear as contas públicas em troca de uma ajuda financeira.

Mas o governo antiausteridade, que chegou ao poder há duas semanas, não parece ter nenhuma intenção de renunciar as suas promessas eleitorais.

O partido Syriza (esquerda radical) quer colocar fim à política de austeridade e relançar a economia com base na justiça social, lembrou o porta-voz do governo, Gabriel Sakellaridis, em uma entrevista publicada neste domingo pelo semanário grego RealNews.

"Não tem nenhum sentido prolongar o programa de ajuda" imposto ao país desde 2010 e que levou a um beco sem saída, insistiu.

Ele defendeu a proposta de seu governo de aplicar um novo plano até junho que cubra as necessidades financeiras do país, dando tempo para a Grécia e seus sócios europeus chegarem a um acordo definitivo.

"Precisamos de tempo para alcançar um acordo estável e eficaz para todas as partes e enquanto este plano durar teremos tempo de entrar em acordo sobre um plano de reformas sem chantagens", explicou.

Enfrentar a realidade do poder - O plano de reformas do Syriza, sobretudo fiscais, para lutar contra a evasão fiscal e a corrupção, tem uma duração de três anos e meio a quatro anos. Tanto este programa quanto o plano temporário até junho, que compreende medidas sociais de urgência para frear a crise humanitária na Grécia, serão apresentados por Tsipras neste domingo.

"O primeiro-ministro fala o idioma da verdade. O plano que apresentaremos neste domingo no Parlamento será o mesmo que será exposto na cúpula europeia" de quinta-feira, indicou uma fonte governamental na sexta-feira, após um conselho de ministros.

Já o ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, apresentará este plano, assim como uma proposta para reorganizar a dívida, durante uma reunião extraordinária de ministros das Finanças da Eurozona na quarta-feira em Bruxelas, na véspera da cúpula europeia dos 28, da qual Tsipras participará.

Varoufakis se reuniu no sábado com especialistas do banco Lazard, eleito recentemente pela Grécia como conselheiro sobre a gestão da dívida do país.

Atenas quer assentar novas bases frente a troica negociadora (UE, BCE, FMI) com uma redução de sua dívida (atualmente de 300 bilhões de euros) através de mecanismos financeiros sofisticados e menos obrigações orçamentárias.

Mas a maioria de seus sócios europeus, com Berlim na liderança, acolheram com frieza as propostas apresentadas por Tsipras e Varoufakis durante seu giro nesta semana pelo continente.

Apesar disso, muitos analistas acreditam que será buscado um compromisso nesta semana em Bruxelas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias