África

Boko Haram mata cinco pessoas em ataque a vilarejo do Chade

O aumento no número de ataques fora da Nigéria fez com que a União Africana aprovasse o envio de uma força composta por 7.500 soldados dos quatro países para tentar controlar o conflito

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 13/02/2015 às 9:10
Foto: STEPHANE YAS / AFP
O aumento no número de ataques fora da Nigéria fez com que a União Africana aprovasse o envio de uma força composta por 7.500 soldados dos quatro países para tentar controlar o conflito - FOTO: Foto: STEPHANE YAS / AFP
Leitura:

Pelo menos cinco pessoas morreram nesta sexta-feira (13) em um ataque do grupo radical islâmico nigeriano Boko Haram à localidade de Ngouboua, no Chade. Este é o primeiro ataque dos extremistas ao país.

Segundo autoridades chadianas, cerca de 30 militantes vieram da Nigéria em lanchas pelo lago Chade e iniciaram o ataque por volta das 3h locais (0h em Brasília). Eles colocaram fogo em casas e em uma base militar.

A ação dos extremistas foi controlada pelos militares, mas quatro civis e um soldado morreram. O vilarejo atacado abriga cerca de 7.000 nigerianos que deixaram seu país devido ao avanço dos extremistas.

As margens do lago Chade são divididas entre o país homônimo, a Nigéria, o Níger e Camarões. Desde janeiro, o Boko Haram vem realizando ataques em toda a região, no primeiro avanço conhecido do grupo fora do território nigeriano.

O aumento no número de ataques fora da Nigéria fez com que a União Africana aprovasse o envio de uma força composta por 7.500 soldados dos quatro países para tentar controlar o conflito.

Em resposta ao desdobramento de tropas nigerianas, camaronesas e chadianas, o líder de Boko Haram, Abubakar Shekau, publicou na segunda-feira um vídeo no YouTube apontando "a inutilidade" da força regional.

"Sua aliança não conseguirá nada. Juntem todas suas armas e nos enfrente. Damos as boas-vindas. Mandaram sete mil soldados? Por que não 70 milhões? Só sete mil? Por Alá que isso é pouco. Podemos enfrentar eles um por um".

Diante do aumento da violência, a Nigéria adiou as eleições presidenciais, que seriam realizadas no próximo domingo (14) para 28 de março.

Nesta quinta, pelo menos seis pessoas morreram e outras 12 ficaram feridas em um atentado a bomba em um mercado na cidade de Biu, no Estado de Borno. O Boko Haram, que domina a região, é o principal suspeito do ataque.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias