Argentina

Temporal no centro da Argentina deixa sete mortos e dois desaparecidos

As fortes chuvas registradas na noite de domingo provocaram inundações e enxurradas que arrastaram árvores e carros, deixando sem luz, gás e telefone várias localidades

Da AFP
Da AFP
Publicado em 16/02/2015 às 18:30
Foto: STR / NA / AFP
As fortes chuvas registradas na noite de domingo provocaram inundações e enxurradas que arrastaram árvores e carros, deixando sem luz, gás e telefone várias localidades - FOTO: Foto: STR / NA / AFP
Leitura:

Pelo menos sete pessoas morreram, duas estão desaparecidas e mil foram evacuadas por um temporal na província argentina de Córdoba (centro), disse nesta segunda-feira uma fonte governamental.

"O total de mortos é de sete, pois nas últimas horas apareceram os cadáveres de uma menina de uns cinco anos e de um homem adulto", informou Diego Concha, membro da Defesa Civil de Córdoba.

O funcionário disse que estas pessoas estavam desaparecidas.

As fortes chuvas registradas na noite de domingo provocaram inundações e enxurradas que arrastaram árvores e carros, deixando sem luz, gás e telefone várias localidades.

O temporal caiu em Sierras Chicas, região a noroeste da cidade de Córdoba, que milhares de pessoas escolhem para passar as férias no verão no hemisfério sul.

"Várias cidades da região de Sierra Chica foram afetadas pelo fenômeno e em alguns locais, as ruas viraram rios de até dois metros de altura", revelou Concha.

O temporal provocou "danos materiais enormes", segundo o ministro do Desenvolvimento Social da província, Daniel Passerini, que explicou que casas, pavimentos e pontos foram arrasados ou derrubados.

Umas 12 pontes estão sendo avaliadas para ver se podem ser reabilitadas ao trânsito.

A Defesa Civil informou que há regiões onde não é possível chegar por terra e que estão sendo abastecidas com helicópteros que distribuem, especialmente, água, colchões, cobertores e alimentos.

José Manuel de la Sola, governador de Córdoba, disse que foi uma "situação inesperada", pois não havia alerta meteorológico e indicou que em algumas regiões as precipitações se aproximaram dos 300 milímetros em poucas horas.

Em muitos locais, a única forma de entrar foi com botes de borracha ou lanchas e muitas pessoas tiveram que se abrigar nos tetos das casas porque a água chegou até 1,80 metro de altura, segundo o governador.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias