Crise

Casa Branca condena esforço republicano para minar diálogo com Irã

O Executivo respondeu com bastante irritação, acusando os senadores de interferência e de continuar "uma estratégia partidária para minar a habilidade do presidente de conduzir a Política Externa e promover nossa segurança nacional"

Da AFP
Da AFP
Publicado em 09/03/2015 às 18:25
Foto: BRENDAN SMIALOWSKI / AFP
O Executivo respondeu com bastante irritação, acusando os senadores de interferência e de continuar "uma estratégia partidária para minar a habilidade do presidente de conduzir a Política Externa e promover nossa segurança nacional" - FOTO: Foto: BRENDAN SMIALOWSKI / AFP
Leitura:

A Casa Branca denunciou, nesta segunda-feira, os esforços "partidários" de congressistas republicanos para obstaculizar as negociações em curso com Teerã sobre o programa nuclear iraniano.

Em uma carta aberta aos líderes iranianos, quase todos os senadores republicanos, 47 de um total de 54, alertaram que acertos com o presidente Barack Obama podem não ser honrados no futuro, já que apenas o Congresso tem o poder de suspender de forma definitiva as sanções contra Teerã.

O Executivo respondeu com bastante irritação, acusando os senadores de interferência e de continuar "uma estratégia partidária para minar a habilidade do presidente de conduzir a Política Externa e promover nossa segurança nacional".

"Isso levanta questões significativas sobre a intenção, ou sobre os objetivos de seus autores", alfinetou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, que acusou os senadores de estabelecerem um canal alternativo de comunicação com os políticos mais conservadores do Irã.

Com a data-limite de março chegando ao fim, os negociadores trabalham sem parar para conseguir um acordo para conter o programa nuclear do Irã em troca da redução das sanções ocidentais. Obter um acordo é visto como uma das prioridades da Política Externa do governo Obama.

O porta-voz da Casa Branca acusou os republicanos de apoiar ataques aéreos contra instalações do Irã. Segundo Earnest, essa ofensiva conteria o programa iraniano apenas de forma temporária.

"A pressa para a guerra, ou, pelo menos, a pressa para a opção militar que muitos republicanos estão defendendo, não é, de modo algum, no melhor interesse dos Estados Unidos", acrescentou Earnest.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias