Serviço

Médicos cubanos começam a trabalhar no Bahrein

O Bahrein é o terceiro país árabe do Golfo a fechar um acordo deste tipo, após o Catar, desde 1997, e a Arábia Saudita, desde 2014, segundo o ministério, que não revelou o valor pago a Havana por estes serviços

Da AFP
Da AFP
Publicado em 09/03/2015 às 14:27
Foto: Marcos Santos / USP Imagens
O Bahrein é o terceiro país árabe do Golfo a fechar um acordo deste tipo, após o Catar, desde 1997, e a Arábia Saudita, desde 2014, segundo o ministério, que não revelou o valor pago a Havana por estes serviços - FOTO: Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Leitura:

Um grupo de médicos cubanos começará a trabalhar no Bahrein, como parte de um acordo assinado entre os dois países em agosto de 2014, anunciou o Ministério das Relações Exteriores de Cuba.

"O primeiro grupo de profissionais da saúde cubanos que irá trabalhar nesta nação árabe chegou (...) na cidade de Manama, capital do Reino do Bahrein", indicou o ministério em um comunicado publicado em seu site.

"O acordo estabelece as bases para a cooperação nas áreas de serviços médicos e de biotecnologia, pesquisa médica e outras áreas de interesse mútuo", acrescentou.

Este primeiro grupo é composto por quinze homens e mulheres, de acordo com o comunicado, e irá trabalhar no Hospital Universitário Rei Hamad, na cidade de Muharraq.

O Bahrein é o terceiro país árabe do Golfo a fechar um acordo deste tipo, após o Catar, desde 1997, e a Arábia Saudita, desde 2014, segundo o ministério, que não revelou o valor pago a Havana por estes serviços.

A venda de serviços profissionais, especialmente médicos, é a primeira fonte de renda de Cuba, com cerca de 11 bilhões por ano.

Cerca de 50.000 médicos e paramédicos cubanos prestam serviços em 70 países. Alguns países de baixa renda, como o Haiti, o recebem de graça, mas outros, como a Venezuela e o Brasil, pagam milhões de dólares para Havana.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias