Cúpula das Américas

EUA ainda não decidiram sobre retirada de Cuba da lista de terrorismo

O Departamento de Estado americano recomendou que Cuba seja retirada da lista de países que supostamente financiam o terrorismo

Da AFP
Da AFP
Publicado em 10/04/2015 às 16:50
Foto: YAMIL LAGE / AFP
O Departamento de Estado americano recomendou que Cuba seja retirada da lista de países que supostamente financiam o terrorismo - FOTO: Foto: YAMIL LAGE / AFP
Leitura:

O presidente Barack Obama ainda deve decidir se eliminará Cuba de sua lista de países patrocinadores do terrorismo, afirmou nesta sexta-feira (10) um assessor da Casa Branca no Panamá, horas antes da inauguração da Cúpula das Américas.

Indagado se haverá um anúncio neste sentido durante o encontro, o assessor respondeu: "não descarto, mas ainda não podemos dizer que houve uma recomendação  (ndlr: por parte dol departamento de Estado) ao presidente, e tampouco que o presidente tenha tomado uma decisão".

O Departamento de Estado americano recomendou que Cuba seja retirada da lista de países que supostamente financiam o terrorismo, afirmou na quinta-feira o senador Ben Cardin, membro do comitê de Relações Exteriores da Câmara alta.

"A recomendação do Departamento de Estado de remover Cuba da lista de Estados que patrocinam o terrorismo, resultado de meses de uma revisão técnica, é um importante avanço em nossos esforços para construir uma relação mais frutífera com Cuba", afirmou Cardin em nota oficial.

Sue Walitsky, porta-voz do senador Cardin, confirmou à AFP que o legislador tinha sido informado sobre esta decisão.

Mais cedo, durante visita de um dia à Jamaica, o presidente Barack Obama confirmou que o Departamento de Estado tinha concluído o processo de revisão sobre a manutenção de Cuba na lista, mas que o caso ainda seria analisado por sua equipe na Casa Branca antes de anunciar a recomendação.

Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado, Jeff Rathke, disse em coletiva de imprensa que "enquanto o processo seguir seu curso, não faremos comentários".

Ao anunciar, em 17 de dezembro passado, o início da aproximação com Cuba, depois de meio século de hostilidades, Obama tinha pedido ao Departamento de Estado que revisasse a presença de Cuba na lista, segundo a legislação vigente.

Cuba integra a lista, que inclui ainda Irã, Síria e Sudão, desde 1982.

Estados Unidos e Cuba já iniciaram uma agenda de conversações bilaterais, mas a parte cubana deixou claro que considerava prioritário que o país seja retirado da lista para que avancem as negociações sobre o restabelecimento das relações diplomáticas e a reabertura de embaixadas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias