Conflito

Chanceleres da Colômbia e da Venezuela se reunirão no sábado

O objetivo é discutir a crise diplomática entre os dois países como preparação a uma possível reunião entre seus presidentes

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 10/09/2015 às 21:25
Foto: LUIS ACOSTA / AFP
O objetivo é discutir a crise diplomática entre os dois países como preparação a uma possível reunião entre seus presidentes - FOTO: Foto: LUIS ACOSTA / AFP
Leitura:

O chanceler do Equador, Ricardo Patiño, anunciou nesta quinta-feira (10) que suas colegas da Colômbia, María Ángela Holguín, e da Venezuela, Delcy Rodríguez, marcaram reunião em Quito para este sábado (12).


O objetivo, segundo Patiño, é discutir a crise diplomática entre os dois países como preparação a uma possível reunião entre seus presidentes, Juan Manuel Santos e Nicolás Maduro.

De acordo com o governo do Equador, Maduro e Santos aceitaram a reunião a pedido do presidente do país, Rafael Correa, e do uruguaio Tabaré Vázquez -os equatorianos ocupam a presidência temporária da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), e o Uruguai está no comando da Unasul (União de Nações Sul-Americanas).

"Para nós, é uma grande notícia que os presidentes de Colômbia e Venezuela tenham aceitado esse cordial convite, diante da situação que estávamos vivendo", disse o chanceler equatoriano.

Correa, por sua vez, afirmou que a reunião dos chanceleres era um "primeiro passo" e que seu país estava "muito preocupado" com o conflito.

Em agosto, a Venezuela fechou a fronteira e ordenou a deportação de mais de 1.400 colombianos de seu território, após três membros da Guarda Nacional venezuelana terem sido feridos por supostos contrabandistas da Colômbia.

Nesta quarta (9), Santos atacou Maduro e disse que "a revolução bolivariana na Venezuela está se autodestruindo, a si própria, por seus resultados, não por causa dos colombianos ou do presidente da Colômbia".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias