Imigração

Conheça os principais fluxos migratórios das últimas décadas

Muitos mais entraram sem o status de refugiado, mas todos em geral, foram bem acolhidos

Da AFP
Da AFP
Publicado em 10/09/2015 às 14:15
Foto: AFP
Muitos mais entraram sem o status de refugiado, mas todos em geral, foram bem acolhidos - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Veja os principais movimentos populacionais que marcaram o fim da Segunda Mundial (40 milhões de pessoas deslocadas na Europa em maio de 1945, segundo a Agência das Nações Unidas para os Refugiados):

- Os repatriados da Argélia: Os Acordos de Evian (18 de março de 1962) marcaram o fim da guerra na Argélia e cerca de 200.000 franceses da Argélia deixam imediatamente sua terra natal, com apenas algumas malas.

Em Paris, acreditava-se em um êxodo temporário, convencidos de que a maioria dos repatriados pediria a nacionalidade argelina. Isso nunca aconteceu: o fluxo não parou de aumentar até atingir um milhão de pessoas - judeus, cristãos, muçulmanos nascidos na Argélia e presentes neste país há várias gerações.

Depois da descolonização, o número total de "repatriados" na França atingiu 1,45 milhão de pessoas, incluindo 260.000 originários de Marrocos, 180.000 da Tunísia, 15.500 da África negra e Madagáscar, 44.000 da Indochina.

- Após a queda do comunismo e da implosão da URSS (1990-1991), cerca de 2,5 milhões de descendentes de alemães deixam a União Soviética para recuperar a terra de seus ancestrais (os "Aussiedler" ). O pico da onda foi em 1994, quando 215 mil deles chegaram à Alemanha.

A este fenômeno em massa, somou-se, no início dos anos 90, a chegada de imigrantes fugidos das guerras da ex-Iugoslávia e cujo principal destino era a Alemanha.

De acordo com o demógrafo Francois Heran, os três anos de pico para a chegada à UE de requerentes de asilo das guerras da ex-Iugoslávia foram em 1990 (100.000), 1991 (226.000) e 1992 (173.000).

O destino de 3/4 deles foi a Alemanha.

O número de 800.000 requerentes de asilo previsto pela Alemanha para o ano de 2015 já foi atingido ou ultrapassado em 1992.

- Na queda do regime comunista na Albânia, a partir de dezembro de 1990, cerca de 400.000 albaneses fugiram para a Grécia e Itália.

O movimento migratório durou vários anos.

- Portugal, antigo país de emigração, mas também antiga potência colonial, vivenciou um importante movimento de repatriados (cerca de 500.000 pessoas) durante a independência de Moçambique (junho de 1975), de Angola (novembro de 1975), mas também do Cabo Verde e São Tomé.

- A Espanha, no início de 2000, experimentou um fluxo de mais de 300.000 equatorianos, que deixaram o seu país atingido pela dolarização decidida por Quito.

Muitos deixaram o país anos depois com a crise econômica na Península Ibérica.

- Os "boat people": após a queda de Saigon (30 de abril de 1975), que terminou a Guerra do Vietnã, e a tomada de Phnom Penh (17 de abril de 1975) pelos Khmers Vermelhos, até 1,3 milhão de pessoas buscaram refúgio no exterior.

Apesar de a grande maioria (800.000) ir para os Estados Unidos, o fluxo também foi grande para a Europa, principalmente na França: cerca de 130.000 cidadãos da antiga Indochina entraram legalmente na França.

Muitos mais entraram sem o status de refugiado, mas todos em geral, foram bem acolhidos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias