Tripoli

Deputados líbios assinam polêmico acordo para sair do caos

Na Líbia, nas mãos das milícias desde a deposição de Muanmar Kadhafi, em 2011, dois governos e dois parlamentos disputam o poder

Aline Araújo
Aline Araújo
Publicado em 17/12/2015 às 9:51
Foto: MAHMUD TURKIA / AFP
Na Líbia, nas mãos das milícias desde a deposição de Muanmar Kadhafi, em 2011, dois governos e dois parlamentos disputam o poder - Foto: MAHMUD TURKIA / AFP
Leitura:

Membros dos dois Parlamentos rivais da Líbia assinam nesta quinta-feira no Marrocos um acordo promovido pela ONU para formar um governo de união nacional, embora os chefes de ambas as câmaras tenham advertido antecipadamente que o pacto não terá legitimidade.

Na Líbia, nas mãos das milícias desde a deposição de Muanmar Kadhafi, em 2011, dois governos e dois parlamentos disputam o poder.

As potências mundiais pedem um acordo político que inclua um governo de união, para colocar fim a uma desordem propícia ao florescimento dos grupos armados e dos jihadistas do Estado Islâmico (EI).

Nesta linha, um grupo de deputados líbios se prepara para assinar nesta quinta-feira em Skhirat, perto de Rabat, um acordo propiciado pela ONU.

No entanto, Nuri Abu Sahmein, presidente do Congresso Geral Nacional (CGN) em Trípoli, apoiado por uma coalizão de milícias e não reconhecido pela comunidade internacional, disse na quarta-feira que os signatários não representam as duas câmaras rivais.

"A pessoa que não recebeu o mandato do Congresso Geral Nacional para assinar um acordo em seu nome não tem nem terá legitimidade", declarou Abu Sahmein.

O governo de união, tal como propõe a ONU, "não tem consenso e não garante nem mesmo o mínimo para assegurar sua eficácia", acrescentou Abu Sahmein.

Na terça-feira em Malta, Abu Sahmein se reuniu com Aguila Saleh, presidente do Parlamento reconhecido pela ONU e instalado em Tobruk (leste).

Em uma coletiva de imprensa conjunta, os presidentes dos dois Parlamentos deixaram claro que as pessoas que assinarem nesta quinta-feira o acordo no Marrocos o farão a título pessoal, e não em nome das respectivas assembleias.

Ainda assim, o emissário da ONU Martin Kobler reafirmou que o acordo será assinado em Skhirat com "um grande número de participantes líbios".

Kobler se reuniu na quarta-feira com o chefe do exército do governo reconhecido pela ONU, Khalifa Haftar, uma personalidade muito questionada, em El Markh (80 km a leste de Benghazi), segundo uma fonte militar.

O general Haftar se opõe ao acordo que deve ser assinado no Marrocos, porque pode despojá-lo do controle das Forças Armadas.

De qualquer forma, afirmou que não irá boicotar o acordo.

Para Kobler, o acordo de Skhirat favorece uma solução da crise e uma ajuda estrangeira à Líbia, em particular militar para combater o terrorismo.

Segundo ele, deve haver um governo de união nacional para levantar um embargo sobre a venda de armas ao país, que segundo o governo reconhecido internacionalmente está prejudicando a luta contra o EI.

Kobler explicou que pode haver "assistência externa" na luta antijihadista na Líbia, se assim pedir um governo de união nacional.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias