imigrantes

Dezenas de homens mascarados atacam migrantes em Estocolmo

Nenhuma vítima havia prestado queixa até o início da tarde deste sábado

Da AFP
Da AFP
Publicado em 30/01/2016 às 13:20
Foto: ATTILA KISBENEDEK/AFP
Nenhuma vítima havia prestado queixa até o início da tarde deste sábado - FOTO: Foto: ATTILA KISBENEDEK/AFP
Leitura:

Dezenas de homens mascarados, supostamente ligados a hooligans e a uma nebulosa neo-nazista, se reuniram na sexta-feira (29) à noite no centro de Estocolmo para atacar migrantes, informou neste sábado a polícia sueca.

Nenhuma vítima havia prestado queixa até o início da tarde deste sábado, indicou à AFP um porta-voz da polícia de Estocolmo, Towe Hägg.

Entre 50 e 100 pessoas, mascaradas ou encapuzadas, marcaram um encontro à noite em Sergels Torg, uma grande praça da capital sueca, frequentada por jovens, marginalizados e migrantes menores não acompanhados.

De acordo com testemunhas entrevistadas pelo jornal Aftonbladet, os agressores molestaram "pessoas de aparência estrangeira" e distribuíram um folheto sem assinatura chamando a impor às "crianças norte-africanas nas ruas a punição que merecem".

"Eu estava passando, quanto vi um grupo vestido de preto, mascarado (...) que começou a bater em estrangeiros", relatou uma testemunha. "Eu vi três pessoas sendo agredidas".

Informadas de "um plano para agredir migrantes menores de idade não acompanhados no centro de Estocolmo", as autoridades reforçaram a segurança em locais estratégicos. Um homem de 46 anos foi preso depois de acertar um golpe no rosto de um policial disfarçado.

Três pessoas com idades entre vinte e trinta anos foram detidas por perturbar a paz e liberadas em seguida. Outra, que carregava uma faca, será processada ??por porte de arma proibida.

Uma investigação por "associação para cometer violência agravada" deve permitir identificar os indivíduos ou organizações por trás dos ataques.

O site Nordfront, vitrine do movimento neo-nazista SMR, afirmou na sexta-feira à noite que uma "centena de hooligans" dos clubes AIK e Djurgården estavam prontos para "fazer o trabalho doméstico entre os migrantes criminosos do Norte da África".

Fontes policiais citadas pelo jornal Aftonbladet confirmam a suspeita contra esses grupos radicais.

Em 2015, 163.000 refugiados pediram asilo na Suécia. O ministro do Interior, Anders Ygeman, anunciou na quarta-feira que o país pretende expulsar quase metade destes migrantes, cujo pedido de asilo tenha sido ou venha a ser rejeitado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias