Polêmica

Chile critica terapias de 'cura gay'

Nota divulgada foi uma resposta ao pedido do Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), que solicitou ao ministério da Saúde que desse sua opinião sobre estas práticas

Da AFP
Da AFP
Publicado em 18/02/2016 às 22:24
Foto: Marcello Camargo /Arquivo /Agência Brasil
Nota divulgada foi uma resposta ao pedido do Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), que solicitou ao ministério da Saúde que desse sua opinião sobre estas práticas - FOTO: Foto: Marcello Camargo /Arquivo /Agência Brasil
Leitura:

O ministério da Saúde do Chile manifestou nesta quinta-feira (18) sua crítica às chamadas terapias de reorientação de homossexualidade que supostamente buscam "curar" a condição de pessoas homossexuais e as qualificou de "grave ameaça para a saúde".

"Como ministério da Saúde, consideramos que as práticas conhecidas como 'terapias reparativas' ou de 'reconversão' da homossexualidade, representam uma grave ameaça para a saúde e o bem estar, inclusive a vida, das pessoas afetadas", informou um comunicado do ministério. A nota foi uma resposta ao pedido do Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), que solicitou ao ministério da Saúde que desse sua opinião sobre estas práticas. 

A carta do ministério chileno retoma "as declarações da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e de diversas instâncias defensoras de Direitos Humanos", das quais faz parte esta repartição do estado.  "Com esta declaração, o ministério se atualizou em matéria de direitos humanos", manifestou o Movilh. Tais terapias usam métodos para conseguir mudar a orientação sexual de pessoas homossexuais ou bissexuais, e no Chile são promovidas por organismos não-governamentais. 

Em outubro passado entrou em vigor no país o Acordo de União Civil (AUC), uma medida para legalizar a situação dos casais de igual ou diferente orientação sexual. No entanto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda não é permitido. 

O Chile é um país onde a Igreja Católica ainda tem uma grande influência, onde o divórcio só foi estabelecido em 2004. A sodomia só foi descriminalizada há 15 anos e o aborto ainda não é permitido em nenhum caso, embora se discuta no Parlamento uma iniciativa para descriminalizar o aborto em casos de risco de vida para a mãe, feto não viável ou estupro.

Últimas notícias