Economia

Austrália abre a porta à China para salvar Acordo Transpacífico

Governo australiano espera manter o Acordo Transpacífico, apesar da saída dos Estados Unidos

AFP
AFP
Publicado em 24/01/2017 às 11:20
SAUL LOEB / AFP
Governo australiano espera manter o Acordo Transpacífico, apesar da saída dos Estados Unidos - FOTO: SAUL LOEB / AFP
Leitura:

O governo australiano estendeu nesta terça-feira a mão à China, afirmando esperar que o Tratado de Associação Transpacífico (TPP) possa ser salvo, apesar da saída dos Estados Unidos decidida pelo presidente Donald Trump.

Considerado um contrapeso à crescente influência da China, este tratado foi assinado em 2015 depois de difíceis negociações entre 12 países da Ásia-Pacífico, que representam 40% da economia mundial.

Mas, como já havia anunciado durante sua campanha eleitoral, Trump assinou na segunda a ata de saída dos Estados Unidos, apenas três dias depois de sua posse.

Nesta terça, o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, declarou que seu governo mantém discussões ativas com outras partes integrantes do Acordo Transpacífico, como o Japão, a Nova Zelândia e Cingapura, para encontrar meios de salvá-lo.

"É possível que, com o tempo, a política americana mude quanto a este tema", acrescentou, assinalando que Rex Tillerson, que pode vir a ser o secretário de Estado, e inúmeros republicanos são favoráveis ao acordo.

"Também é possível que o TPP siga em frente sem os Estados Unidos", declarou Turnbull. "Certamente, existe potencial para que a China se una ao TPP", acrescentou.

Assinado por 12 países de ambas as margens do Oceano Pacífico (EUA, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã), o tratado ainda não entrou em aplicação.

O ministro australiano do Comércio, Steven Ciobo, afirmou que seu país, junto com Canadá, México e outros havia estudado a possibilidade de um "TPP de 12 menos um" recentemente durante o Fórum Econômico de Davos.

O primeiro-ministro neozelandês, Bill English, assinalou, por sua parte, que, depois da decisão de Washington, Pequim "não demorou em ver uma ocasião para se convidar para o TPP".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias