ÁFRICA

Zâmbia permite que mulheres tirem dia de folga no período menstrual

As trabalhadores com ou sem filhos precisam apenas telefonar para o empregador e informar que estão tirando o 'Dia das Mães', como a lei é chamada

JC Online
JC Online
Publicado em 24/01/2017 às 10:04
Foto: Reprodução/Remédio da Terra
As trabalhadores com ou sem filhos precisam apenas telefonar para o empregador e informar que estão tirando o 'Dia das Mães', como a lei é chamada - FOTO: Foto: Reprodução/Remédio da Terra
Leitura:

As trabalhadoras da Zâmbia, na África Meridional, contam com uma lei que as permite tirar um dia de folga durante o período menstrual. Elas não precisam avisar com antecedência sobre a falta, basta apenas telefonar no mesmo dia e dizer ao empregador que estão tirando o 'Dia das Mães', como o benefício é chamado. 

Ndekela Mazimba, que trabalha com relações públicas, tira o Dia das Mães todos os meses por causa de fortes cólicas "Acho que a lei é boa, porque as mulheres passam por muita coisa quando estão menstruadas", disse à BBC.

Críticas ao benefício na Zâmbia

Embora beneficie muitas mulheres, o fato de não ser necessária a apresentação de um atestado médico para justificar o repouso tem gerado algumas críticas na Zâmbia. Segundo Mutinta Musokotwane-Chikopela, que trabalha na área de marketing, a lei incentiva a indolência. "Não acredito nisso e não tiro a folga. Menstruar é uma coisa normal do corpo da mulher, não é como a gravidez ou o parto", afirmou à BBC.

O presidente da Federação de Empregados da Zâmbia, Harrington Chibanda, também é contra o benefício. "Seu chefe pode ter uma tarefa para lhe passar e, quando você falta subitamente, isso significa que o trabalho vai ser afetado", diz.

O Zambia Congress of Trade Unions (ZCTU), que reúne os sindicatos dos diferentes setores do país, apoia a lei, mas  uma das dirigentes, Catherine Chinunda, reforça que o direito à folga "deve ser cassado" se uma mulher tirá-la num dia em que não esteja menstruada.

Para a advogada Linda Kasonde, "O Dia das Mães é importante no contexto da Zâmbia, porque reconhece que as mulheres são as principais cuidadoras dos indivíduos na nossa sociedade - sejam casadas ou não."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias