Afeganistão

Carro-bomba deixa 34 mortos no sul do Afeganistão

A explosão de um carro-bomba matou 34 pessoas nesta quinta-feira diante de uma agência bancária em Lahskar Gah, sul do Afeganistão.

AFP
AFP
Publicado em 22/06/2017 às 13:35
Foto: AFP
A explosão de um carro-bomba matou 34 pessoas nesta quinta-feira diante de uma agência bancária em Lahskar Gah, sul do Afeganistão. - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A explosão de um carro-bomba matou 34 pessoas nesta quinta-feira (22) diante de uma agência bancária em Lahskar Gah, sul do Afeganistão, no momento em que civis e militares formavam uma fila para receber os salários.

O ataque, que também deixou 58 feridos, aconteceu ao meio-dia diante de uma agência do New Kabul Bank, no centro da capital da província de Helmand.

Um porta-voz dos talibãs, Qari Yusuf Ahmadi, reivindicou o atentado e afirmou que ação matou "73 militares e policiais", mas o número deve ser encarado com cautela, pois os insurgentes costumam exagerar os balanços de vítimas de seus ataques. 

O governo de Helmand, que divulgou o balanço de 34 mortos e 58 feridos, informou que muitas vítimas são civis e incluem mulheres e crianças. 

Imagens exibidas pouco depois da explosão mostram corpos mutilados, reunidos nas caçambas das picapes da polícia. 

O porta-voz da polícia, Salam Afghan, afirmou que os corpos de algumas vítimas são impossíveis de identificar. 

O atentado foi executado com um carro-bomba, confirmou o chefe de polícia provincial, Aqa Noor Kentoz, ao canal Tolo News.

"Os civis e os militares aguardavam em uma fila para receber os salários no momento da explosão do veículo", disse.

A mesma agência do New Kabul Bank já havia sido alvo de dois ataques nos últimos anos. O primeiro, em dezembro de 2014, deixou 12 mortos, incluindo cinco terroristas. 

O segundo, executado em fevereiro e reivindicado pelos talibãs, deixou seis mortos e 20 feridos quando um homem-bomba detonou sua carga no momento em que os clientes esperavam em uma fila para receber os salários.

Noite do Destino 

Lashkar Gah está praticamente cercada pelos talibãs, que controlam 75% da província de Helmand, principal zona de produção da papoula, planta da qual se extrai o ópio, maior fonte de recurso dos insurgentes, que cobram impostos dos produtores.

O Afeganistão celebra nesta quinta-feira a Noite do Destino, uma data importante nos últimos dias do Ramadã, o mês de jejum que terminará no domingo ou na segunda-feira com a festa de Eid al Fitr.

Este período especial para os muçulmanos provoca o temor de um aumento dos ataques de extremistas islâmicos, que acreditam alcançar o paraíso com atentados suicidas durante o momento sagrado para os muçulmanos.

O país registrou uma intensificação dos ataques nas últimas semanas, entre eles um que deixou 150 mortos e 400 feridos no dia 31 de maio no bairro diplomático de Cabul. Este atentado, o mais violento no país desde 2001, não foi reivindicado por nenhum grupo.

Os talibãs assumiram a responsabilidade de vários atentados contra as forças de segurança afegãs, que mataram dezenas de soldados e policiais.

Os extremistas também admitiram que estão por trás das operações contra as forças ocidentais, das quais exigem a saída do país. Ao mesmo tempo, o Pentágono estuda o envio de milhares de soldados para reforçar os 8.400 militares presentes no Afeganistão como parte da força da Otan.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias