ÁUSTRIA

Justiça confirma que Áustria é dona da casa onde Hitler nasceu

A decisão do Tribunal Constitucional foi publicada nesta sexta-feira (30)

AFP
AFP
Publicado em 30/06/2017 às 17:59
Foto: MANFRED FESL/APA/AFP
A decisão do Tribunal Constitucional foi publicada nesta sexta-feira (30) - FOTO: Foto: MANFRED FESL/APA/AFP
Leitura:

O Estado austríaco continuará sendo proprietário da casa que Hitler nasceu, a qual obteve controle sob seu uso no fim de 2016, contra a vontade da herdeira da casa, segundo uma decisão do Tribunal Constitucional publicada nesta sexta-feira (30). 

O parlamento austríaco havia adotado em dezembro passado uma lei para expropriar essa casa, que data do século XVIII, e está situada no centro de Braunau-am-Inn, próxima à fronteira com a  Alemanha, abrindo assim a possibilidade de uma profunda modificação arquitetônica do edifício que frequentemente atrai neonazistas. 

A lei, aprovada quase que por unanimidade, põe fim a um longo conflito entre o Estado e a família proprietária, representada por Gerlinde Pommer, que há vários anos mantém um silêncio absoluto sobre esse assunto. 

Pommer apresentou um recurso contra a lei de expropriação diante do Tribunal constitucional austríaco.

Porém, o tribunal deu razão ao Estado austríaco na sexta-feira (30), considerando que essa expropriação ocorreu pautada por "interesses gerais".  

"A casa apresenta o risco de tornar-se um local de peregrinação (...) em benefício da ideologia nazista (...). Era, portanto, necessário ter certeza de que não será cometida ali nenhuma infração", declarou o tribunal em sua decisão. 

A instância recordou que essa venda forçada teve uma compensação, cujo valor não foi revelado. 

O Estado alugava a casa desde 1972, na qual funcionava um centro para deficientes, uma das categorias da população que foi vítima dos nazistas. 

A enorme casa de fachada amarela está vazia desde 2011, quando seus proprietários opuseram seu veto em relação a um novo uso para o local, mensalmente alugado por 4.8000 euros pelo Estado.

Sem ocupantes, o lugar transformou-se em ponto de encontro para admiradores de Hitler. 

O ministro de Interiores Wolfgang Sobotka tinha o intuito de destruí-la. Porém, uma comissão de especialistas converteu essa ideia em um projeto de profunda remodelação com o qual já não é mais possível identificá-la. 

No futuro, uma instituição pública será instalada ali, com a condição de que seu uso represente "a antítese ao nazismo". 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias