INVESTIGAÇÃO

Rússia: relatório da ONU sobre ataque químico na Síria é duvidoso

Relatório confirma a utilização de gás sarin durante investida no último dia 4 de abril

AFP
AFP
Publicado em 30/06/2017 às 11:25
Foto: OMAR HAJ KADOUR / AFP
Relatório confirma a utilização de gás sarin durante investida no último dia 4 de abril - FOTO: Foto: OMAR HAJ KADOUR / AFP
Leitura:

O relatório dos especialistas da Organização Internacional para a Proibição das Armas Químicas (Opaq), que confirma a utilização de gás sarin durante um ataque em 4 de abril na Síria, baseia-se em "dados duvidosos" - afirmou a Diplomacia russa.

"Nós nos vemos obrigados a constatar que suas conclusões continuam baseadas em dados muito duvidosos", indicou o Ministério russo das Relações Exteriores em um comunicado, no qual aponta "sinais de uma campanha política".

Investigação

Uma missão de investigação da Opaq concluiu que "uma grande quantidade de pessoas, algumas das quais faleceram, se viram expostas ao sarin, ou a um produto como sarin", explica o informe confidencial, que teve trechos consultados pela AFP.

O resultado do relatório servirá agora de fundamento para uma comissão conjunta da ONU e da Opaq, que deverá decidir se o regime de Damasco é o culpado pelo bombardeio químico na localidade de Khan Sheikhun, em 4 de abril.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias