Hamburgo

Protestos violentos durante o G20 deixam quase 200 feridos em Hamburgo

'Eu entendo completamente os protestos pacíficos, mas os protestos violentos ameaçam as vidas das pessoas', disse Angela Merkel

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 07/07/2017 às 21:16
Foto: AFP
'Eu entendo completamente os protestos pacíficos, mas os protestos violentos ameaçam as vidas das pessoas', disse Angela Merkel - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Protestos violentos ofuscaram a reunião de líderes mundiais ocorrida nesta sexta-feira (7) na Alemanha, com anarquistas e outros lançando coquetéis molotov, bloqueando vias, queimando carros e atacando policiais. Pelo menos 196 policiais e um número não especificado de outras pessoas ficaram feridos, segundo autoridades da cidade de Hamburgo, que sedia a cúpula de líderes mundiais.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, havia tentado fazer do evento uma mensagem de harmonia global. "Eu entendo completamente os protestos pacíficos, mas os protestos violentos ameaçam as vidas das pessoas", afirmou Merkel. "Isso não é aceitável."

Alguns prédios residenciais e bancos próximos da área dos protestos tiveram janelas quebradas. A polícia usou spray de pimenta e jatos d'água para tentar controlar a situação. Manifestantes criticaram a escolha de uma cidade como Hamburgo para o evento e disseram que a polícia não lidou corretamente com os protestos. "É negligência realizar esse evento no meio de um bastião de esquerda", afirmou o estudante local Mirko Shokr, de 19 anos. Segundo ele, a polícia provocou a escalada na violência, mas Shokr também se disse frustrado com pessoas vestidas de preto que destruíram a área.

Outros protestos

Muitos dos protestos ocorridos na cidade foram pacíficos. Entre eles, havia manifestações contra o capitalismo e contra a decisão do governo dos EUA de construir um muro na fronteira com o México. Fonte: Dow Jones Newswires.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias