COREIA DO NORTE

Coreia do Norte anuncia libertação de pastor com cidadania canadense

Horas antes de Lim Hyeon-soo ser libertado, a Coreia do Norte e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, trocaram ameaças públicas

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 09/08/2017 às 10:28
Foto: KCNA / KCNA VIA KNS / AFP
Horas antes de Lim Hyeon-soo ser libertado, a Coreia do Norte e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, trocaram ameaças públicas - FOTO: Foto: KCNA / KCNA VIA KNS / AFP
Leitura:

A Coreia do Norte libertou um pastor que tem cidadania sul-coreana e canadense nesta quarta-feira (9), após a detenção dele por mais de dois anos, em uma medida tomada semanas após a morte de um universitário americano mantido sob custódia de Pyongyang.

A libertação do reverendo Lim Hyeon-soo, um dia após a chegada a Pyongyang de Daniel Jean, importante assessor do primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, poderia também reduzir as tensões entre a Coreia do Norte e o mundo ocidental. Horas antes de Lim ser libertado, a Coreia do Norte e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, trocaram ameaças públicas.

Lim, de 62 anos, foi detido na Coreia do Norte em 2015 e recebeu pena de prisão perpétua em dezembro daquele ano por "atos hostis" contra o Estado norte-coreano. 

O tempo de prisão de Lim superou em mais de dois anos o de Kenneth Bae, um missionário sul-coreano-americano libertado no fim de 2014, após cerca de dois anos de sua detenção.

Em breve comunicado, a Coreia do Norte disse que Lim foi libertado por questões médicas e citou a preocupação humanitária com a saúde dele.

Ex-universitário americano

Dois meses atrás, Pyongyang libertou Otto Warmbier, um ex-universitário americano que pegou uma dura pena e foi sentenciado a trabalhos forçados no país por roubar propaganda de um hotel. Warmbier foi levado de volta aos EUA com uma grave lesão no cérebro e morreu seis dias após retornar. Fonte: Dow Jones Newswires.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias