RESPOSTA

EUA: 'todas as opções estão sobre a mesa' para a Coreia do Norte

O último teste de míssil da Coreia do Norte sobrevoou o Japão nesta terça-feira (29)

AFP
AFP
Publicado em 29/08/2017 às 9:43
Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
O último teste de míssil da Coreia do Norte sobrevoou o Japão nesta terça-feira (29) - FOTO: Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
Leitura:

Os Estados Unidos advertiram nesta terça-feira (29) que todas as opções estão sobre a mesa, depois que a Coreia do Norte lançou um míssil que sobrevoou o território do Japão, provocando um alerta internacional.

"As ações ameaçadoras e desestabilizadoras apenas aumentam o isolamento do regime da Coreia do Norte na região e entre todas as nações do mundo", afirmou a Casa Branca em um comunicado.

"Todas as opções estão sobre a mesa", ressalta a nota oficial.

Este é o primeiro projétil norte-coreano a sobrevoar o território japonês em vários anos. Em julho, Pyongyang testou dois mísseis balísticos intercontinentais.

O Conselho de Segurança da ONU se reunirá em caráter de urgência a pedido de Washington e Tóquio, depois que o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, denunciou uma "ameaça grave e sem precedentes".

Na primeira reação da Coreia do Norte, o embaixador do país na ONU, Han Tae-Song, alegou o "direito à autodefesa" diante das "intenções hostis" dos Estados Unidos, ao participar de manobras militares conjuntas com a Coreia do Sul.

O míssil provocou alarme no arquipélago japonês. As sirenes de alerta tocaram no norte, e milhões de cidadãos receberam uma mensagem do governo em seus telefones celulares.

O tráfego ferroviário foi temporariamente suspenso. "Há perturbações em todas as linhas. Motivo: disparo de míssil balístico", podia-se ler nas telas do metrô de Sapporo, a principal cidade da ilha de Hokkaido, no norte do arquipélago japonês.

Em 2009, um foguete norte-coreano sobrevoou o território japonês, sem provocar incidentes, mas gerou um protesto imediato do governo nipônico. 

Na ocasião, Pyongyang afirmou que era um satélite de telecomunicações, mas, segundo Washington, Seul e Tóquio, era um teste para desenvolver mísseis intercontinentais (ICBM).

O míssil desta terça-feira foi lançado de Sunan, nas proximidades de Pyongyang, às 5h57 locais (17h57 de Brasília, segunda-feira), e sobrevoou o Japão, explicou o Estado-Maior sul-coreano.

O projétil percorreu 2.700 quilômetros e alcançou uma altitude máxima de 550 km antes de cair no Pacífico. Foi disparado no sentido leste, e não em direção à ilha de Guam, uma importante base americana a 3.500 km da Coreia do Norte. 

Aumentar a pressão

Após o disparo, Shinzo Abe reiterou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, envolvido em uma disputa retórica com Pyongyang sobre o programa armamentista, afirmou que Washington estará ao lado de Tóquio.

Depois de uma conversa de 40 minutos por telefone, os dois governantes concordaram em "aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte", disse o premier japonês.

Abe já havia advertido que seu governo adotará "todas as medidas" necessárias para garantir a segurança do povo japonês.

Principal aliado e sócio comercial da Coreia do Norte, a China pediu prudência a todas as partes. Apesar de a situação ter atingido um "ponto de inflexão", as "pressões e sanções" contra o regime comunista de Pyongyang "não podem resolver o problema", afirmou o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying.

A Rússia afirmou que está "extremamente preocupada" e denunciou uma "tendência" de "escalada" na crise.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, pediu a Pyongyang uma "abstenção de qualquer nova ação provocadora".

O lançamento ocorre alguns dias depois de Pyongyang testar três mísseis de curto alcance, que foram considerados uma provocação ante o exercício conjunto anual realizado pelos Estados Unidos e pela Coreia do Sul.

Os dois aliados apresentam as operações como defensivas, mas para Pyongyang representam um teste para a invasão de seu território. 

Escalada

O lançamento desta terça-feira representa uma escalada significativa da parte de Pyongyang. No começo do mês, os norte-coreanos haviam ameaçado disparar mísseis na direção da ilha de Guam.

Um ataque desse tipo teria de passar, necessariamente, sobre o arquipélago japonês.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, acabou se distanciou do suposto plano para atingir o território de Guam e disse que poderia esperar. Ele advertiu que, para isso, era "necessário que os Estados Unidos fizessem a opção certa".

"Parecia que a Coreia do Norte havia recuado no jogo do mais forte", disse Cha Du-Hyeogn, do Instituto Asan de Estudos Políticos em Seul. 

"Mas Pyongyang demonstra que não desinflou", completou.

O regime norte-coreano realizou dois testes de mísseis balísticos intercontinentais em julho, que parecem ter colocado ao seu alcance boa parte do território de Estados Unidos. A este movimento, o presidente Donald Trump reagiu, alertando que Washington poderia responder com "fogo e fúria".

Pyongyang avançou rapidamente em sua tecnologia militar, com um programa que rendeu ao país o endurecimento das sanções impostas pela ONU.

Em 5 de agosto passado, o Conselho de Segurança aprovou por unanimidade um novo pacote de sanções contra a Coreia do Norte pelo teste de um míssil com capacidade para atingir o território americano.

As penalidades econômicas têm o objetivo de punir as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e do setor de pesca, o que deve privar o país de quase um bilhão de dólares por ano em arrecadação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias