CONFLITO

Governo da Colômbia e guerrilha do ELN acertam cessar-fogo bilateral

A guerrilha afirmou em outras conta no Twitter que o cessar-fogo corresponde em parte à visita do pontífice

AFP
AFP
Publicado em 04/09/2017 às 13:10
Foto: AFP
A guerrilha afirmou em outras conta no Twitter que o cessar-fogo corresponde em parte à visita do pontífice - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O governo da Colômbia e o ELN, que mantêm negociações de paz, acertaram um cessar-fogo bilateral, anunciou nesta segunda-feira a guerrilha, às véspera da visita do papa Francisco ao país.

"Sim, podemos! Agradecemos a todas e todos que apoiaram decididamente os esforços para alcançar este #CessarFogoBilateral", indica a delegação negociadora do ELN no Twitter.

A guerrilha afirmou em outras conta no Twitter que o cessar-fogo corresponde em parte à visita do pontífice, que apoiou o acordo de paz com as Farc, que agora se transformaram em um partido político.

"Dissemos que a visita do papa Francisco deveria ser uma motivação extra para acelerar a busca de acordos, que têm como principais destinatários as comunidades que padecem das consequências lamentáveis do conflito", assinala o ELN.

"Passados os dias de celebração pela presença de Francisco na Colômbia, seguiremos empenhados em avançar para da desescalada do conflito, até que a Paz Completa seja uma realidade", acrescenta o texto.

O cessar-fogo foi acertado durante o terceiro ciclo de negociações de paz que o governo do presidente Juan Manuel Santos e o Exército de Libertação Nacional (ELN) mantêm no Equador desde fevereiro.

A rodada deveria concluir na sexta, mas foi estendida em duas ocasiões até segunda.

Cessar-fogo deverá entrar em vigor no dia 1º de outubro

O cessar-fogo temporário entre o governo da Colômbia e a guerrilha do ELN, anunciado nesta segunda-feira, entrará em vigor a partir de 1o. de outubro e obriga os rebeldes a por fim aos sequestros, informou o presidente Juan Manuel Santos.

"Entrará a reger no próximo dia 1o. de outubro. Terá uma vigência inicial de 102 dias, ou seja, irá até 12 de janeiro do próximo ano e será renovado à medida que se cumpra e se avance nas negociações sobre os demais pontos", afirmou o presidente em um discurso televisionado.

Últimas notícias