Egito

Negociações interpalestinas começam no Cairo

Negociações sobre a região da Palestina envolvem os movimentos Hamas e Fatah

AFP
AFP
Publicado em 10/10/2017 às 10:36
Foto: AFP
Negociações sobre a região da Palestina envolvem os movimentos Hamas e Fatah - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

As conversações entre o movimento islamita Hamas e seu rival, também palestino, do Fatah começaram nesta terça-feira (10) no Cairo, com o objetivo de concretizar a reconciliação anunciada na semana passada, indicou à AFP um dos delegados que pediu anonimato.

As discussões a portas fechadas, que acontecem na sede do serviço de inteligência egípcio, podem demorar vários dias.

Em uma declaração enviada à imprensa no Cairo, Azzam al-Ahmad, chefe da delegação do Fatah, afirmou que "o principal ponto da ordem do dia" diz respeito à possibilidade de que o governo (da Autoridade Palestina, reconhecido internacionalmente) possa "exercer seus poderes em Gaza".

As conversações devem abordar os detalhes concretos da aproximação entre as partes rivais, após uma década de divergências devastadoras.

Conflito

A diferença entre os dois lados palestinos é considerada um dos maiores obstáculos para resolver o conflito de Israel e uma das causas das duras condições de vida atuais na Faixa de Gaza, cuja população é vítima das guerras recentes, do bloqueio imposto por Israel e Egito, o desemprego, sobretudo entre os jovens, assim como a escassez de água e eletricidade, entre outros.

O último governo palestino de "consenso nacional", formado por tecnocratas, aconteceu em 2014, após um conflito entre Hamas e Israel. Mas a unidade foi rompída em 2015.

Em setembro, no entanto, o Hamas aceitou o retorno da Autoridade Palestina a Gaza, pressionado pelo Egito e também pela pressão econômica do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, que ordenou o fim do pagamento da energia elétrica israelenses que abastece Gaza.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias