IMPASSE

Tusk diz que a negociação do Brexit depende de Londres

A UE exige progressos suficientes no tema prioritário, além da questão da Irlanda do Norte e da garantia dos direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido

AFP
AFP
Publicado em 24/10/2017 às 8:05
Foto: GEERT VANDEN WIJNGAERT / POOL / AFP
A UE exige progressos suficientes no tema prioritário, além da questão da Irlanda do Norte e da garantia dos direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido - FOTO: Foto: GEERT VANDEN WIJNGAERT / POOL / AFP
Leitura:

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que a responsabilidade pela conclusão do Brexit é do governo britânico em qualquer cenário, incluindo o de uma eventual permanência do Reino Unido no bloco.

"A UE estará à altura de qualquer cenário, desde que não estejamos divididos", afirmou Tusk em um discurso no Parlamento Europeu em Estrasburgo.

"Corresponde de fato a Londres se terminará com um bom acordo, uma falta de acordo ou sem Brexit", completou, antes de afirmar que, em todos os cenários, a UE só poderá proteger seus interesses comuns "permanecendo unida".

As declarações foram feitas poucos dias depois de uma reunião em que os governantes europeus estenderam a mão à primeira-ministra britânica, Theresa May, com o compromisso de preparar a nível interno entre os 27 países a futura relação com o Reino Unido, apesar da ausência de progressos suficientes no processo de divórcio.

Acordo

Diante dos eurodeputados, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que a UE "quer um acordo". "Aqueles que não querem um acordo (...) não têm amigos na Comissão", responsável por negociar o Brexit em nome dos 27, completou. "A Comissão não está negociando de maneira hostil", indicou Juncker, para quem os deputados querem e conseguirão um "acordo justo".

Os britânicos devem abandonar o bloco até o fim de março de 2019. Após cinco rodadas e quatro meses de negociações, as discussões de divórcio estão bloqueadas em assuntos prioritários para a UE como a conta a ser paga por Londres.

O bloco de 27 países exige "progressos suficientes" no tema prioritário, além da questão da Irlanda do Norte e da garantia dos direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido, antes de discutir a futura relação, como deseja Londres.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias