Batismo

Papa batiza 34 crianças e alerta que amamentar é a 'linguagem do amor'

''Se tiverem fome, amamentem-nos sem medo, deem-lhe de comer'', disse o pontífice

Maria Eduarda Bravo
Maria Eduarda Bravo
Publicado em 07/01/2018 às 16:06
Foto: AFP
''Se tiverem fome, amamentem-nos sem medo, deem-lhe de comer'', disse o pontífice - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Na manhã deste domingo (7), o Papa Francisco presidiu a missa da Festa do Batismo do Senhor, na Capela Sistina, do Vaticano, durante a qual realizou o Sacramento do Batismo a 34 recém-nascidos, 16 meninas e 18 meninos. Ainda durante a cerimônia, Francisco afirmou que amamentar é a "linguagem do amor" e que as mães estavam livres para amamentar na Capela.

“Se eles começarem a chorar, é porque estão com calor ou não estão confortáveis. Se tiverem fome, amamentem-nos sem medo, deem-lhe de comer, isso também é uma linguagem de amor”, concluiu.

Na tradicional Missa da festa do Batismo do Senhor, que encerra o tempo litúrgico do Natal, o Papa ainda traçou o sinal da cruz na frente de cada criança, gesto repetido pelos pais e, a pedido do pontífice, pelos irmãos dos meninos e meninas.

Confira a transcrição da homilia que Francisco pronunciou após a leitura do evangelho:

"Prezados pais,

Você traz seus filhos ao batismo, e este é o primeiro passo para a tarefa que você tem, a tarefa de transmitir a fé.

Mas precisamos do Espírito Santo para transmitir a fé, não podemos estar sozinhos. Ser capaz de transmitir fé é uma graça do Espírito Santo, a possibilidade de transmiti-lo; e é por isso que você traz seus filhos aqui, porque eles recebem o Espírito Santo, recebem a Trindade - o Pai, o Filho e o Espírito Santo - que habitarão em seus corações.

Gostaria de lhe dizer apenas uma coisa, que diz respeito a você: a transmissão da fé só pode ser feita "em dialeto", no dialeto da família, no dialeto do pai e da mãe, do avô e da avó. Então, os catequistas irão desenvolver esta primeira transmissão, com idéias, com explicações ... Mas não se esqueça disso: você faz "em dialeto", e se o dialeto estiver faltando, se você não fala em casa o idioma do amor, A transmissão não é tão fácil, não pode ser feita. Não esqueça. Sua tarefa é transmitir a fé, mas fazê-lo com o dialeto do amor de sua casa, da família.

Eles também [as crianças] têm seu próprio "dialecto", o que nos faz sentir bem! Agora todos estão quietos, mas é suficiente para que alguém dê o tom e depois a orquestra segue! O dialeto das crianças! E Jesus nos aconselha a ser como eles, para falar como eles. Não devemos esquecer essa linguagem de crianças, que falam como podem, mas é a linguagem que Jesus gosta tanto. E em suas orações seja tão simples quanto eles, diga a Jesus o que vem em seu coração como eles dizem para eles. Hoje, eles vão dizer com lágrimas, sim, como as crianças. O dialeto dos pais que é o amor para transmitir a fé e o dialeto das crianças que devem ser bem vindos pelos pais para crescer na fé.

Vamos agora continuar a cerimônia; e se eles começarem a fazer o show é porque eles não estão confortáveis ou com muito calor, ou com fome ... Se eles estão com fome, amamentá-los, sem medo, alimente-os porque é um linguagem de amor."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias