MUDANÇA

Pesquisadores defendem que adolescência vai até os 24 anos

Publicado em uma revista científica britânica, o estudo argumenta que o período de mudanças corporais passa dos 20 anos

Ana Roberta Amorim
Ana Roberta Amorim
Publicado em 19/01/2018 às 21:13
Foto: Pixabay
Publicado em uma revista científica britânica, o estudo argumenta que o período de mudanças corporais passa dos 20 anos - FOTO: Foto: Pixabay
Leitura:

Momento de descobertas, mudanças contínuas e decisões que podem afetar toda a vida, a adolescência pode se estender por mais alguns anos. Uma pesquisa divulgada na revista científica Lancet Child & Adolescent Health demonstra que essa fase pode passar dos 19 anos atuais para os 24.

O principal motivo seria que as alterações corporais continuam após os 20 anos. A liberação dos hormônios sexuais, fenômeno que acontece quando uma parte do cérebro, chamada hipotálamo, ativa glândulas hipófise e gônodas, acontecia, em geral por volta das 14 anos. Nas últimas décadas, no entanto, essa parte do desenvolvimento começa a ocorrer a partir dos 10 anos de idade.

Além disso, as mulheres tendem a ficar menstruadas por volta dos 12 anos, quando, antigamente, isso acontecida por volta dos 16. Ou seja, evidências de que o corpo, mesmo após duas décadas, ainda está em constante desenvolvimento.

Outro aspecto analisado pela pesquisa é a decisão de formar uma família, que tem sido definida cada vez mais tarde. Enquanto, na década de 1970, homens e mulheres casavam-se e tinham filhos entre os 22 e 24 anos, hoje essa responsabilidade só é tomada por volta das 32 para eles e 30 para elas.

Prós e contras

Por um lado, pesquisadores afirmam que essas constatações podem levar a alterações nas leis, que precisariam considerar o período para garantir a provisão de serviços especiais já dados a crianças e adolescentes, em especial a educação.

No entanto, de acordo com pesquisadores contrários a essas novas definições, a mudança poderia afetar a forma como a sociedade enxerga essa população, existindo o perigo de haver uma infantilização de jovens. Eles afirmam que pode ocorrer o risco de transformar o desejo desses jovens por independência (no caso das decisões tardias de casamento e filhos) em uma patologia. É preciso, então, reconhecer os pontos fortes dos jovens e desenvolver o potencial deles, sem a necessidade de focar em problemas da adolescência.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias