MÉXICO

Trump no centro do debate dos candidatos presidenciais do México

O principal tema do debate foi ''México e o mundo'', em particular sobre a relação com os Estados Unidos

Vitor Nascimento
Vitor Nascimento
Publicado em 21/05/2018 às 9:29
Foto: Guillermo Arias/AFP
O principal tema do debate foi ''México e o mundo'', em particular sobre a relação com os Estados Unidos - FOTO: Foto: Guillermo Arias/AFP
Leitura:

O presidente americano, Donald Trump, foi o centro do segundo debate de candidatos à presidência do México, que reivindicaram respeito para o país e os migrantes mexicanos nos Estados Unidos, os quais se comprometeram a defender se ganharem a eleição de julho.

O esquerdista Andrés Manuel López Obrador, que lidera com cerca de 20 pontos nas pesquisas, Ricardo Anaya, candidato de uma coalizão de direita e esquerdas e em segundo nas preferências, o governista José Antonio Meade, em terceiro, e o independente Jaime Rodríguez Calderón estiveram na cidade fronteiriça de Tijuana para o segundo debate presidencial.

"Vamos fazer Trump ver a razão (...) Vai ter que nos respeitar", disse López Obrador, afirmando que buscaria uma "relação de amizade, mas não de insubordinação" com Washington.

O tema do debate foi "México e o mundo", em particular a relação com os Estados Unidos, que caiu até seu nível mais baixo desde a chegada de Trump à Casa Branca.

O presidente americano já chamou os migrantes mexicanos de criminosos, insiste em construir um muro na fronteira a ser pago pelo México e abriu uma renegociação da Área de Livre-Comércio das Américas (Nafta, na sigla em inglês).

"Foi um erro receber Trump em Los Pinos (...). Foi uma humilhação para o povo do México", reclamou Anaya, ao criticar a polêmica reunião entre o então candidato republicano e o presidente Enrique Peña Nieto na sede presidencial mexicana em agosto de 2016.

Meade, do governista Partido Revolucionário Institucional (PRI), rejeitou que isso tenha sido um erro. "Julgando pelos resultados não foi. Hoje, estamos negociando um novo acordo de livre-comércio", explicou, ressaltando que os Estados Unidos se retiraram de outros acordos e instrumentos internacionais.

Rodríguez Calderón, um ex-militante do PRI, disse que é hora de reduzir a dependência em relação aos Estados Unidos, destino de mais de 80% das exportações mexicanas.

"Temos de nos libertar dos gringos e colocá-los em seu lugar", disse. O debate também abordou o problema dos migrantes mexicanos nos Estados Unidos, os quais todos foram unânimes em apoiar.

López Obrador disse que transformará em "procuradorias" os consulados mexicanos, e Anaya, que duplicará o orçamento para a área.

Meade indicou que, além da defesa dos migrantes, vai buscar o desenvolvimento de suas famílias no México para combater as causas da migração.

Os candidatos concordaram quanto à necessidade de facilitar a passagem, pelo México, de centro-americanos que buscam chegar aos Estados Unidos, agilizar os processos de abrigo para os que decidirem ficar a promover o desenvolvimento econômico da América Central.

O terceiro debate acontece em 12 de junho. A eleição presidencial será no dia 1º de julho, com a renovação do Congresso e governantes e de deputados estaduais.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias