RÚSSIA

Putin substitui chefe da agência espacial russa

Nomeação acontece depois de anos de desgastes no setor espacial

Kléber Barreto
Kléber Barreto
Publicado em 24/05/2018 às 12:15
Foto: Mikhail Klimentyev / Sputnik / AFP / CP
Nomeação acontece depois de anos de desgastes no setor espacial - FOTO: Foto: Mikhail Klimentyev / Sputnik / AFP / CP
Leitura:

O presidente Vladimir Putin substituiu nesta quinta-feira o chefe da estratégica agência espacial russa Roskosmos, afetada nos últimos anos por uma série de contratempos, e nomeou o ex-vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin.

Rogozin é conhecido por suas declarações virulentas contra os ocidentais e é alvo de sanções dos Estados Unidos, importante parceiro da Rússia no setor espacial.

Até a semana passada ele estava encarregado de supervisionar o complexo militar-industrial. Agora ele vai substituir Igor Komarov, no cargo desde 2015.

"Farei todo o possível e tudo o que for necessário para justificar sua confiança", declarou Rogozin após sua nomeação, segundo imagens transmitidas pela TV pública Rossia 24.

Conexão

Em dezembro de 2017, perdeu brevemente o contato com o primeiro satélite de telecomunicações angolano lançado do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, antes de recuperar a conexão. Mas sua viabilidade a longo prazo permanece incerta.

Um mês antes, no mesmo ano, perderam o contato com o satélite meteorológico Meteor e vários outros pequenos satélites lançados a partir do cosmódromo Vostochny, que a longo prazo deve substituir o de Baikonur e cuja construção custou entre 300 e 400 bilhões de rublos (4 a 5,3 bilhões de euros).

A Rússia, no entanto, permanece na vanguarda no campo espacial, já que pois possui os únicos foguetes capazes de transportar e trazer tripulações da Estação Espacial Internacional (ISS), para a qual também fornece o módulo principal.

A ISS, que é um exemplo excepcional de cooperação russo-americana e está em órbita terrestre desde 1998.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias