DESAPARECIDOS NA CAVERNA

Buscas de crianças desaparecidas na Tailândia entram no 6º dia

As doze crianças estão desaparecidas dentro de uma caverna com o treinador há seis dias

Kléber Barreto
Kléber Barreto
Publicado em 29/06/2018 às 9:45
Foto: AFP
As doze crianças estão desaparecidas dentro de uma caverna com o treinador há seis dias - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

As equipes de emergência mobilizadas para tentar encontrar as 12 crianças e adolescentes e seu treinador de futebol presos há seis dias em uma caverna inundada da Tailândia retomaram as buscas, prejudicadas pelas fortes chuvas.

As tempestades dos últimos dias na província de Chiang Rai, norte da Tailândia, elevou o nível da água na caverna, onde os jovens, com idades entre 11 e 16 anos, e seu treinador, de 25, se refugiaram no sábado.

O comandante da junta tailandesa, general Prayut Chan-O-Cha, visitou durante a manhã desta sexta-feira (29) o local da tragédia, que deixa o país em suspense, para apoiar as famílias e supervisionar a operação resgate, que tem a participação de quase mil pessoas, incluindo militares americanos e mergulhadores britânicos.

"Ter fé nos fará conseguir (...) O patriarca supremo (budista do reino) me pediu para solicitar que todos meditem", afirmou aos pais dos jovens.

Os pais rezam ao lado de monges budistas diante da caverna, onde foi criado um pequeno altar.

"O único problema é a água na caverna", advertiu o general.

Após a suspensão das operações submarinas na quinta-feira (28) em consequência do nível elevado da água, apesar das muitas bombas instaladas para drenar o local, as tarefas foram retomadas durante a noite.

"Eles mergulharam por várias horas para tentar alcançar o local onde o grupo estaria refugiado, além das duas câmaras inundadas", disse à AFP o governador de Chiang Rai, Narongsak Osottanakorn.

Mas após seis dias, as possibilidades de sobrevivência são cada vez menores. A inundação e a diminuição dos bolsões de ar complicam as operações.

Chuva

As 12 crianças e adolescentes e seu treinador entraram na caverna de Tham Luang, perto da fronteira com Mianmar e Laos, no sábado (23) após um treino. Mas a chuva bloqueou a entrada principal da rede subterrânea complexa, que tem vários quilômetros de comprimento. 

O drama provocou uma grande comoção no país budista, onde foram organizadas correntes humanas em escolas para formar o número 13, em referência ao número de desaparecidos, e orações entre a minoria muçulmana.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias