LÍBIA

Três bebês mortos e mais de 100 desaparecidos em naufrágio na Líbia

De acordo com sobreviventes, cerca de 120 pessoas estavam no bote inflável. Aproximadamente 20 imigrantes ainda estão desaparecidos

AFP
AFP
Publicado em 29/06/2018 às 15:17
Foto: AFP
De acordo com sobreviventes, cerca de 120 pessoas estavam no bote inflável. Aproximadamente 20 imigrantes ainda estão desaparecidos - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Os corpos de três bebês foram resgatados e mais de 100 pessoas estão desaparecidas após o naufrágio, nesta sexta-feira (29), de uma embarcação de imigrantes ao longo da costa da Líbia, informaram sobreviventes e membros da Guarda Costeira local.

Cerca de 120 imigrantes estavam a bordo de um bote inflável no momento do naufrágio, ocorrido a seis quilômetros da costa líbia, disseram à AFP sobreviventes levados para a região de Al-Hmidiya, 25 quilômetros ao leste da capital, Trípoli.

Na operação, 16 jovens foram resgatados.

A embarcação zarpou de madrugada da cidade costeira líbia de Garabulli, 50 quilômetros ao leste de Trípoli, relataram sobreviventes à AFP.

Algumas horas mais tarde, houve uma explosão a bordo, e o motor pegou fogo. A embarcação começou a arder em chamas, e os migrantes tentaram se proteger, concentrando-se em um dos lados da embarcação.

Segundo agentes da Guarda Costeira, eles foram localizados por pescadores, que alertaram a Marinha.

Testemunhas disseram que várias famílias marroquinas estavam a bordo, assim como iemenitas. Entre os desaparecidos, estão dois bebês e três crianças de 4 a 12 anos, e entre 10 a 15 mulheres.

Outros 345 migrantes foram socorridos nessa mesma região a borde três embarcações.

Em pouco mais de 10 dias, a Marinha líbia resgatou centenas de imigrantes.

Para milhares de migrantes africanos, a Líbia é um país de destino e de trânsito para a costa europeia.

Os países-membros da União Europeia alcançaram um acordo nesta sexta-feira para criar "plataformas de desembarque" para os migrantes fora de seu território, e tentar dissuadir as travessias do Mediterrâneo.

Mas o marechal líbio Khalifa Haftar, que controla o leste do país, rechaçou qualquer "presença militar estrangeira" no sul "sob pretexto da luta contra a imigração clandestina".

Por enquanto, nenhum país se ofereceu para acolher essas plataformas. O Marrocos já anunciou a sua oposição.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias