Atentado suicida

Bomba explode em comício e deixa mortos no Paquistão

Pelo menos 13 pessoas morreram e outras 54 ficaram feridas

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 11/07/2018 às 4:37
Foto: ABDUL MAJEED / AFP
Pelo menos 13 pessoas morreram e outras 54 ficaram feridas - FOTO: Foto: ABDUL MAJEED / AFP
Leitura:

Pelo menos 13 pessoas morreram e outras 54 ficaram feridas nessa terça-feira (10) em um atentado suicida em um comício eleitoral em Peshawar, no noroeste do Paquistão, anunciou a Polícia.

O atentado foi cometido durante uma reunião do Awami National Party, partido que já foi alvo de represálias de militantes islamitas por ter se oposto a grupos como os talibãs.

"O ataque matou pelo menos 13 pessoas, incluindo [Haroon] Bilour", disse à AFP o chefe de polícia da cidade de Peshawar, Qazi Jameel.

Feridos

Pelo menos 54 pessoas ficaram feridas, segundo um novo balanço das autoridades.

Pouco antes, um porta-voz havia admitido que as ameaças pairam na campanha das legislativas de 25 de julho.

Haroon Bilour era um dos candidatos do ANP nessas eleições. Pertencia a uma influente família política da província de Khyber-Pakhtunkhwa, cuja capital é Peshawar. Seu pai, Bashir Bilour, que também é uma destacada figura política, morreu em um atentado suicida em 2012. 

"Segundo os primeiros elementos da investigação, foi um ataque suicida, que tinha como alvo Haroon Bilour", indicou à AFP Shafqat Malik, encarregado da Polícia.

A polícia informou que a explosão aconteceu quando o político se preparava para discursar para 200 partidários.

As redes de televisão locais mostravam imagens de ambulâncias chegando ao local do ataque para socorrer os feridos.

"Perdi a consciência depois da explosão. A última coisa que vi foi uma grande bola de fogo", declarou à AFP Sartaj Khan, um partidário do ANP que foi ferido nas pernas.

O atentado não foi reivindicado até o momento.

Peshawar, porta de entrada para turbulentas regiões tribais do Paquistão, foi cenário nos últimos anos de vários atentados contra políticos, reuniões religiosas, forças de seguranças e até escolas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias