Austrália

Dez ministros australianos se demitem e pressionam primeiro-ministro

O Partido Liberal, de Malcom Turnbull, está atrás da oposição nas pesquisa a 12 meses das eleições.

JC Online
JC Online
Publicado em 22/08/2018 às 8:15
MARK GRAHAM / AFP
O Partido Liberal, de Malcom Turnbull, está atrás da oposição nas pesquisa a 12 meses das eleições. - FOTO: MARK GRAHAM / AFP
Leitura:

Ao menos 10 ministros australianos apresentaram pedidos de demissão, informa a imprensa do país, em um novo revés para o primeiro-ministro Malcolm Turnbull, que pode ser obrigado a enfrentar uma nova tentativa de destituição dentro do próprio partido.

A disputa interna foi revelada nessa segunda-feira (20), quando o primeiro-ministro se viu obrigado, em consequência da falta de apoio do partido, a desistir do projeto de incluir na legislação australiana a meta do país em termos de redução de gases que provocam o efeito estufa. 

Após uma semana de protestos, Turnbull decidiu nessa terça-feira (21) declarar seu posto vago, o que levou a uma votação interna do Partido Liberal, na qual o chefe de Governo permaneceu no cargo.  Turnbull recebeu 48 votos, contra 35 para o ministro do Interior, Peter Dutton, que renunciou ao cargo. 

Vitória interna

Apesar da vitória interna, a posição do premier, cujo partido está atrás da oposição nas pesquisas a 12 meses das eleições, ficou debilitada. Outros nove ministros também renunciaram a seus cargos, informaram os canais ABC e Sky News. 

Turnbull, no entanto, aceitou apenas duas demissões: a de Dutton e a da ministra do Desenvolvimento Internacional, Concetta Fierravanti-Wells.  Nesta quarta-feira (22), ele afirmou que os outros ministros "asseguraram inequivocamente sua lealdade e apoio". 

Dutton, que muitos consideram mais conservador que o primeiro-ministro, estava à frente do ministério que comanda a polícia, a imigração e o serviço de inteligência. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias