Ameaça

EUA: Autor de pacotes explosivos era ex-stripper e tinha passagens pela polícia

O suspeito de enviar explosivos a críticos do governo Trump tem um histórico de problemas financeiros e várias prisões no passado

Jennifer Thalis
Jennifer Thalis
Publicado em 26/10/2018 às 22:30
FOTO: SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
O suspeito de enviar explosivos a críticos do governo Trump tem um histórico de problemas financeiros e várias prisões no passado - FOTO: FOTO: SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Leitura:

Cesar Sayoc, de 56 anos, é descrito por conhecidos como um solitário perturbado que demonstrava pouco interesse em política antes do surgimento do presidente Donald Trump. Morador de Aventura, na Flórida, Sayoc é um fisiculturista amador e ex-stripper. O suspeito de enviar explosivos a críticos do governo Trump tem um histórico de problemas financeiros e várias prisões no passado, incluindo liberdade vigiada por fazer ameaças com bombas.

Nascido na cidade de Nova York, frequentou o colégio na Carolina do Norte antes de se mudar para o subúrbio de Miami no fim dos anos 80.

Os registros eleitorais da Flórida mostram que ele se registrou como republicano em março de 2016, ano em que também se registrou para votar nas eleições presidenciais de novembro. Os perfis nas redes sociais de Sayoc estão lotados de memes de apoio a Trump, denegrindo democratas e promovendo teorias conspiratórias sobre George Soros, o doador político bilionário que tornou-se alvo do primeiro pacote com explosivos enviados por Sayoc esta semana.

Na loja de peças automotivas em Plantation, Flórida, onde Sayoc foi preso, autoridades guincharam uma van branca coberta de adesivos em apoio a Trump e criticando veículos de mídia como a CNN, outro alvo de seus pacotes explosivos.

"Eu sei que o cara é um lunático. Ele é um solitário", disse Lenny Altieri, primo de Sayoc, à agência Associated Press, confirmando que o suspeito trabalhou como stripper.

Histórico

Registros judiciários na Flórida mostram que Sayoc foi preso em 2002 e ficou um ano em liberdade vigiada pela acusação criminal de ameaçar usar bomba. As informações disponíveis na internet não fornecem detalhes, mas seu advogado nesse episódio, Ronald Lowy, relatou à AP que ele se envolveu uma discussão tensa com um funcionário da Florida Power and Light.

O advogado explicou que, frustrado com a falta de energia, Sayoc disse ao funcionário apostar como ele "cuidaria do seu problema" se lhe "jogasse uma bomba". Para Lowy, o acusado é "um homem confuso que tinha problemas para controlar suas emoções".

A ficha criminal de Sayoc, que se estende de 1990 a 2014, inclui ainda prisões por roubos, agressão, e posse ilegal de anabolizantes sintéticos. Registros também indicam que, nos últimos anos, ele passou por problemas financeiros.

Perfis atribuídos ao suspeito nas redes sociais trazem críticas a figuras do Partido Democrata e a opositores do governo Trump. Em junho, uma conta associada a Sayoc no Twitter publicou mensagem de aniversário a Trump, dizendo: "Feliz aniversário Donald J. Trump, o maior presidente já eleito".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias