Caso Khashoggi

Noiva de jornalista assassinado pede punição para os responsáveis

"Eu comecei a tremer quando percebi que algo tinha acontecido com ele", disse a noiva

Marina Costa
Marina Costa
Publicado em 26/10/2018 às 11:59
Foto: AFP
"Eu comecei a tremer quando percebi que algo tinha acontecido com ele", disse a noiva - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A noiva do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado no consulado de seu país em Istambul no início de outubro, exigiu nesta sexta-feira (26) punição para todos os responsáveis. "Meu pedido é que todos os responsáveis envolvidos nesta barbárie, do mais baixo ao mais alto nível, sejam punidos e levados à Justiça", declarou Hatice Cengiz em entrevista ao canal Habertürk.

Jamal Khashoggi, um colaborador de 59 anos do Washington Post, foi morto em 2 de outubro no consulado saudita em Istambul, onde foi buscar um documento administrativo para pode se casar com a Hatice Cengiz. Sua noiva ficou esperando do lado de fora do consulado que ele voltasse, o que não aconteceu. "Eu comecei a tremer quando percebi que algo tinha acontecido com ele", contou. "De repente, imenso medo tomou conta de mim". 

Depois de várias horas de espera, Cengiz indicou que ligou para a recepção do consulado para informar que Khashoggi não havia saído. "Disseram que não havia ninguém lá dentro". Ela então ligou para um amigo do jornalista, Yasin Aktay, que é um dos conselheiros do presidente Recep Tayyip Erdogan. 

Corpo ainda não foi encontrado

A polícia foi notificada e a investigação iniciada. Segundo Ancara, o jornalista foi morto por uma equipe de 15 agentes sauditas que vieram especificamente para a operação.

"Nunca achei que passaria por isso", declarou Cengiz, acrescentando que o consulado não permitiu que ela entrasse com o noivo.

O corpo de Khashoggi ainda não foi encontrado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias