TESTE

China testa uma megabomba

O explosivo é considerado a versão chinesa da 'mãe de todas as bombas'

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 04/01/2019 às 10:20
Foto: Reprodução/Norinco
O explosivo é considerado a versão chinesa da 'mãe de todas as bombas' - FOTO: Foto: Reprodução/Norinco
Leitura:

A China testou sua bomba convencional mais poderosa, segundo uma mídia estatal, que a chamou de "a versão chinesa da 'mãe de todas as bombas'", em referência à queda de uma bomba americana no Afeganistão.

O fabricante estatal de armas Norinco publicou em seu site um vídeo que mostra, por alguns segundos, o lançamento da bomba. 

A megabomba cai em uma planície e, em seguida, uma bola gigante de fogo com fumaça preta é produzida.

Na mídia social, a agência de notícias oficial Xinhua descreveu na quarta-feira o dispositivo, apresentado pela primeira vez, como "a versão chinesa da 'mãe de todas as bombas'".

Um bombardeiro chinês H-6K lançou esta bomba, cujo "poder não é inferior ao das armas nucleares", segundo a mesma fonte. Não se sabe, no entanto, quando o teste foi realizado. Norinco ou Xinhua não dão datas ou um local preciso ou detalhes sobre suas capacidades.

Afeganistão

Em abril de 2017, os Estados Unidos lançaram no Afeganistão a arma convencional mais poderosa do seu arsenal, uma bomba com uma enorme onda expansiva (explosão de ar de munição maciça - MOAB) que batizaram de "mãe de todas as bombas". O objetivo era destruir uma rede do grupo Estado Islâmico (EI) no leste do país. 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que estava "orgulhoso" de suas Forças Armadas e parabenizou pelo "sucesso".

A bomba chinesa teria entre cinco e seis metros de comprimento, mas seria menor e mais leve do que o artefato americano, segundo Wei Dongxu, analista militar  sediado em Pequim e citado nesta sexta-feira pelo jornal semi-oficial Global Times. "A explosão maciça que gera pode facilmente destruir alvos terrestres fortificados", salientou Wei.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias