CHILE

CIDH pede autorização para enviar observadores ao Chile

Comissão da OEA quer investigar denúncias contra forças de repressão

Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 06/11/2019 às 19:20
Notícia
Foto: MARTIN BERNETTI / AFP
Comissão da OEA quer investigar denúncias contra forças de repressão - FOTO: Foto: MARTIN BERNETTI / AFP
Leitura:

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA), solicitou formalmente nesta quarta-feira (6) ao governo do Chile autorização para enviar uma missão de observadores ao país para investigar denúncias contra a ação das forças de repressão durante os protestos sociais das últimas semanas.

No pedido, a comissão da OEA manifesta interesse em “uma visita in loco” ao Chile devido às solicitações formais recebidas “de dezenas de organizações de direitos humanos, movimentos sociais e povos indígenas, representantes de partidos políticos, legisladores, intelectuais e artistas”, bem como da Ouvidoria dos Direitos da Criança ”.

Confira o podcast 'O Fato É... debate crise no Chile e na América do Sul'

Uma missão enviada pelo Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos está no Chile desde o fim de outubro, colhendo informações sobre denúncias de tortura, detenções ilegais, abuso sexual, tiros em civis indefesos e todo tipo de abuso e maus-tratos atribuídos às forças da repressão.

Desde o início das manifestações de protesto, no dia 17 de outubro, 23 pessoas morreram e milhares foram feridas e detidas no Chile.

Os protestos começaram após o governo aumentar o preço das passagens do metrô. O presidente Sebastián Piñera cancelou o aumento, as manifestações não cessaram. Piñera anunciou também pacotes de medidas para conter a insatisfação dos chilenos, mas isso não foi suficiente para acalmar os protestos. 

São as mais violentas manifestações ocorridas no Chile nos últimos 30 anos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias