epidemia

Rápida propagação do coronavírus confirma preocupação da OMS, alertam especialistas

Especialista disse que epidemia do novo coronavírus teve um aumento significativo nas últimas 48 horas

AFP
AFP
Publicado em 23/02/2020 às 19:24
Notícia
Foto: Sonny Tumbelaka / AFP
Especialista disse que epidemia do novo coronavírus teve um aumento significativo nas últimas 48 horas - FOTO: Foto: Sonny Tumbelaka / AFP
Leitura:

A multiplicação de novos casos de coronavírus fora da China confirma o alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o risco de propagação da epidemia, alertaram especialistas neste domingo (23) ao pedir reforço no combate a doença.

"A epidemia do COVID-19 teve um aumento significativo nas últimas 48 horas. A OMS e seus estados membros devem refletir e passar de uma estratégia de contenção para uma estratégia de mitigação, ou seja, reduzir o impacto negativo da propagação" do vírus, diz o professor Devi Sridhar, responsável pelo programa de Governança da Saúde da Escola de Medicina de Edimburgo, no Reino Unido. 

>> Termina quarentena do coronavírus para brasileiros que voltaram da China

>> Imip se torna hospital de referência para atendimento de possíveis casos de coronavírus em Pernambuco

>> Coronavírus: veja lista de hospitais que serão referência em Pernambuco

Na última sexta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que "estamos em uma fase na qual é possível conter a epidemia", embora as possibilidades sejam limitadas. 

Casos fora do epicentro da epidemia na China "sem uma ligação epidemiológica clara, como histórico de viagens ou contatos com casos confirmados" se multiplicaram no mundo. 

Novos surtos surgiram ou se desenvolveram rapidamente na Coreia do Sul, no Irã - onde até agora morreram 8 pessoas, entre os 43 casos registrados - e na Itália, onde 130 casos de coronavírus foram registrados em poucos dias, deixando 11 cidades em quarentena.

"É o que se denomina transição de transmissão comunitária", explica o professor Arnaud Fontanet, que chefia a unidade "epidemiológica de doenças emergentes" do Instituto Pasteur, na França. 

"Isso faz com que o controle seja muito mais difícil e faz pensar em um risco de introdução (do vírus) a partir de outro foco que não seja a China", ressalta.  

O epidemiologista do Instituto Nacional de Saúde e de Investigação Médica (Inserm) da França, Eric D'Ortenzio, acredita que "essa é uma nova fase" da propagação do COVID-19. 

Segundo ele, a aparição de novos países afetados pelas "cadeias de transmissão a partir de casos não detectados", ainda que haja dados precisos, continuam faltando informações sobre os vetores epidêmicos desses casos assintomáticos.   

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias