Fé e arte

Grafiteiros da JMJ cobrem muros no Rio com imagens inspiradas em valores humanos

Na escadaria da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), seis grafiteiros usaram grandes telas brancas para mostrar sua arte

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 24/07/2013 às 20:49
Leitura:

Grafiteiros de 17 países participaram nesta quarta-feira (24) do concurso Arte sem Fronteiras, mostrando seus trabalhos em diversos pontos da cidade. Parte da programação do Dia Cultural da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o concurso teve 100 inscritos, dos quais foram selecionados 50 que concorrem aos prêmios. Na escadaria da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), no centro,  seis grafiteiros – quatro brasileiros e dois austríacos – usaram grandes telas brancas para mostrar sua arte.

Os demais artistas selecionados grafitaram o muro do trenzinho do Corcovado, no Cosme Velho, o Museu de Favela, no Cantagalo, o muro da Unirio, na Urca, e o Seminário Arquidiocesano São José, no Rio Comprido. O concurso tem duas categorias de concorrentes:  profissionais e amadores. O prêmio para o vencedor da categoria profissional será uma viagem a Roma. O vencedor entre os artistas amadores ganhará uma viagem à cidade de Aparecida, em São Paulo, onde o papa celebrou hoje de manhã sua primeira missa no Brasil.

Apesar do frio e da chuva que caiu nesta quarta-feira no Rio, os peregrinos mostraram-se entusiasmados com as atividades do Dia Cultural.  Um voluntário foi escolhido DJ e animou os que estavam na escadaria da Alerj ao som do hip hop e do rap gospel. Grandes grupos de fiéis paravam para admirar as telas e também para dançar e cantar hinos religiosos.

Bruno Velasco, de 23 anos, natural de Jundiaí, em São Paulo, foi um dos grafiteiros em ação. "Cheguei segunda-feira (22) ao Rio e estou adorando esta atmosfera. Estou concorrendo como profissional e já me sinto vitorioso por estar entre os 50 melhores. Já é lindo participar deste movimento cultural. Se eu ganhar o concurso, será lucro. Estou grafitando um guerreiro, expressando nossas lutas diárias e superações", explicou, ao falar de seu trabalhoafirma.

Para a voluntária espanhola e coordenadora das exposições culturais da JMJ, Paloma Lladó, de 38 anos, o grafite tem total ligação com a jornada. "O evento é voltado para jovens, e o grafite é a forma artística de os jovens expressarem seus sentimentos. Por isso, era essencial ter um espaço aqui", disse ela.

De acordo com o coordenador do concurso, o também grafiteiro Gleydston Santos, os temas dos desenhos tinham de ser inspirados em mensagens que expressem valores humanos. "A ideia é transmitir, com o grafite, sentimentos como amizade, amor e solidariedade."

As ilustrações serão avaliadas por três jurados, que decidirão os vencedores nas duas categorias. A divulgação do resultado está prevista para a tarde do próximo domingo (28), no encontro dos voluntários com o papa, no Riocentro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias