FERROVIA

Editorial: Transnordestina ainda fora dos trilhos

Já em 1995, Transnordestina era apresentada como 'a obra inacabada mais antiga do País, uma vez que foi iniciada ainda no império'

JC Online
JC Online
Publicado em 17/09/2019 às 8:04
Editorial
Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Já em 1995, Transnordestina era apresentada como 'a obra inacabada mais antiga do País, uma vez que foi iniciada ainda no império' - FOTO: Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Leitura:

O texto de Adriana Guarda sobre visitas de executivos da Companhia Siderúrgica Nacional e da Transnordestina Logística S/A (TLSA) ao Ministério da Infraestrutura, mais as fotos de Diego Nigro e Priscilla Buhr, na edição de domingo deste JC, trazem aos dias de hoje um escandaloso painel de omissão política e desprezo pelo Nordeste por mais de 100 anos. A prova consta de “O retrato do desperdício no Brasil”, produzido pela comissão temporária das obras inacabadas do Senado Federal, em 1995, onde a Transnordestina era apresentada como “a obra inacabada mais antiga do País, uma vez que foi iniciada ainda no império”.

E assim continua, passando pelos mesmos “trâmites”, como cobranças em tribunas, orçamentos refeitos com cifras astronômicas, projeções ufanistas de integração logística e desenvolvimento econômico. Nunca houve, nem há, qualquer dúvida sobre a importância da Transnordestina para nossa região e para a formação da malha ferroviária nacional. Da importância estratégica para a repercussão política sempre foi um passo realçado, assim como continua no governo Bolsonaro, para quem a entrega de parte da obra é vista como fundamental para a imagem do presidente onde ele tem a mais baixa aprovação.

Mas o fundamental, que permanece, é a importância para o desenvolvimento regional, recorrência política, econômica e social em todos os planos nacionais, com projeções extraordinárias: 1.753 quilômetros de extensão, ligando o interior do Piauí aos portos de Pecém (CE) e Suape (PE), movimentação inicial de minério de ferro e grãos, com orçamento inicial de R$ 4,5 bilhões e valor acrescido para R$ 5,6 bilhões, depois R$ 7,5 bilhões. De acordo com relatórios do Grupo de Trabalho criado pelo governo federal em 2017, até dezembro de 2016 a obra havia recebido R$ 6,38 bilhões e, pelos cálculos da concessionária, serão necessários mais R$ 6,7 bilhões para conclusão.

No meio do caminho tem muitas pedras que precisam ser reordenadas para que o Nordeste entre no mapa ferroviário do País, com a geração de mais emprego e circulação de mais produtos regionais como vem sendo apregoado desde a concepção da ferrovia, revelando-se, em algumas oportunidades, um dos aspectos mais condenáveis da federação, que é a dependência dos Estados em relação à União. Em setembro de 1994, por exemplo, a Frente Popular de Pernambuco apresentava um programa de governo do qual constava a determinação de “agir junto ao governo federal” de modo a assegurar, entre outras obras, “a conclusão da
ferrovia Transnordestina.

Mais um capítulo

Atualizando mais um capítulo dessa história, o Ministério da Infraestrutura se limita a reproduzir a mesma resposta à imprensa: “As negociações entre a concessionária e governo federal estão avançando e o Ministério está acompanhando de perto as evoluções recentes na execução do contrato de concessão. Quanto a um eventual acordo, ainda não há definição”. É muito pouco para tão grande expectativa, por tanto tempo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias