Corrida eleitoral

'O que todo mundo quer é enfrentar Bolsonaro no 2º turno', diz Alckmin

Para o tucano, o candidato do PSL perde para qualquer um em um eventual 2º turno

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 23/08/2018 às 0:08
Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Para o tucano, o candidato do PSL perde para qualquer um em um eventual 2º turno - FOTO: Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Leitura:

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, declarou nesta quarta-feira (22) que o "sonho" de todos os presidenciáveis é chegar ao segundo turno com Jair Bolsonaro (PSL), que atualmente lidera as pesquisas de intenção de voto no cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"O que todo mundo quer é enfrentar o Bolsonaro no segundo turno, porque ele perde para qualquer um", disse o tucano, que cumpre agenda de candidato no Tocantins.

Segundo o Datafolha divulgado hoje, o tucano aparece com entre 6% e 9%, a depender do cenário pesquisado. No que exclui o ex-presidente Lula e coloca em seu lugar o ex-prefeito Fernando Haddad, Alckmin fica atrás de Bolsonaro (22%), Marina Silva (Rede), que atinge 16%, e Ciro Gomes (PDT), que tem 10%.

Apesar da dianteira, Bolsonaro fica atrás de Marina e Alckmin no segundo turno, de acordo com a pesquisa do Datafolha. Contra a ex-ministra, o deputado perderia hoje por 45% a 34%. Já no embate com o tucano, o candidato do PSL seria derrotado por 38% a 33%. Contra Ciro, há situação de empate técnico: 38% contra 35%. Lula bateria todos os candidatos no segundo turno, enquanto Haddad perderia nos dois cenários testados, contra Bolsonaro (38% a 29%) e Alckmin (43% a 20%).]

Rádio e TV

Apesar de figurar no escalão médio dos candidatos neste momento, o tucano continuou repetindo o mantra que a eleição só começa com o horário eleitoral na TV e rádio. "Nós vamos trabalhar para chegar no segundo turno e vamos chegar", disse o ex-governador de São Paulo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias