Eleição

Gleide Angelo se torna candidata mais votada da história de PE para deputada estadual

A delegada recebeu mais de 400 mil votos

Maria Eduarda Bravo
Maria Eduarda Bravo
Publicado em 07/10/2018 às 19:17
Foto: Jornal do Commercio
A delegada recebeu mais de 400 mil votos - FOTO: Foto: Jornal do Commercio
Leitura:

Com 412.636 mil votos, a delegada Gleide Angelo (PSB) foi a grande novidade deste ano para vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). Conhecida por comandar casos de grande repercussão, a policial se tornou a candidata a deputada estadual mais votada da história de Pernambuco.

Sem acreditar no resultado, Gleide, que disputou a cadeira pela primeira vez, demonstrou sua felicidade com a grande quantidade de votos que recebeu.  “Eu estou muito emocionada e surpresa. Estou muito grata porque isso é um reconhecimento pelos meus 15 anos de trabalho na polícia. Essa vitória não é de Gleide, é das forças policiais porque o nosso trabalho é um trabalho sério e é essa a resposta”, disse.

Ao agradecer aos pernambucanos pelos votos, a policial destacou que, como deputada, pretende fortalecer sua atuação no combate à violência contra a mulher. “Agradeço a todo mundo, agradeço a todas as mulheres que precisam de proteção, precisam de ajuda. Agora, vou poder ajudar muito mais, vou poder trabalhar mais por elas. Eu digo, vocês não vão se decepcionar, vou retribuir toda a confiança que depositaram em mim”, afirmou.

O delegado Joselito Kerhle, chefe da Polícia Civil de Pernambuco, também comemorou o resultado. “Tenho certeza de que Gleide saberá honrar cada um desses votos. Hoje é motivo de muito orgulho e satisfação para toda a classe de policiais civis de Pernambuco. Desejo a Gleide muito sucesso. Ao povo pernambucano, tenham certeza de que elegeram uma pessoa compromissada”, afirmou.

Campanha

Em suas propostas de campanha, Gleide, que está coligada ao partido do governador Paulo Câmara (PSB), afirmou que a violência contra a mulher deve ser combatida com políticas públicas e que chegou o momento de trabalhar para que “a mulher não seja morta”.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias