Disputa eleitoral

Bolsonaro rebate Haddad: 'marmita de corrupto preso'

Haddad havia dito que iria 'até a uma enfermaria' realizar debate com Jair Bolsonaro

Isabela Veríssimo
Isabela Veríssimo
Publicado em 10/10/2018 às 14:13
Mauro PIMENTEL / AFP
Haddad havia dito que iria 'até a uma enfermaria' realizar debate com Jair Bolsonaro - FOTO: Mauro PIMENTEL / AFP
Leitura:

O candidato a presidência Jair Bolsonaro (PSL) não abriu mão de se posicionar diante do seu rival de enfrentamento no segundo turno da corrida eleitoral, Fernando Haddad (PT). Após o petista dizer que iria 'até a uma enfermaria' para realizar o debate da TV Bandeirantes que Bolsonaro afirmou não comparecer alegando restrições médicas a situações de stress, o general reformado resolveu rebater o recado pelo Twitter. 

"Calma que sua hora vai chegar, marmita de corrupto preso!", escreveu Bolsonaro. Esse tweet respondia o posicionamento de Eduardo Bolsonaro, que ironizou a fala de Haddad sobre a possível 'visita' à enfermaria: "Haddad, você entende mesmo é de ir em presídio!". Em duas horas, a declaração alcançou mais de 4,9 mil compartilhamentos.

Estado de saúde de Bolsonaro

Jair Bolsonaro só terá autorização médica para participar de debates e eventos de mais de três horas a partir quinta-feira da próxima semana, dia 18. A recomendação foi dada na manhã desta quarta-feira (10), pelos médicos Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo e Leandro Echenique, que examinaram o capitão reformado em sua casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Após o encontro, os médicos disseram a jornalistas que Bolsonaro ainda enfrenta uma anemia e que precisa recuperar massa perdida. "Ele ainda tem anemia. Então, a liberação não é completa. Não pode fazer viagens, nem atividades mais prolongadas", disse o cardiologista Echenique.

Já Macedo afirmou que a preocupação é garantir que o candidato recupere 15 quilos perdidos em duas cirurgias, uma ainda em Juiz de Fora (MG), no dia 6 de setembro, quando Bolsonaro levou a facada, e outra no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no dia 28. "Só com essa segunda cirurgia que eu fiz, ele perdeu muita massa muscular, porque é um homem magro. Vamos fazer, agora, uma intensa recuperação nutricional proteica. É preciso repor isso antes de qualquer situação de estresse."

O médico cirurgião informou que a recuperação, no momento, exige um "repouso relativo". "Ele aguentou um atentado terrível, mas estará liberado, com certeza, a partir da semana que vem. Na quinta-feira, ele deverá ir ao Hospital Albert Einstein para fazermos novos exames e, assim, será liberado para tudo que for necessário".

Macedo disse ainda que Bolsonaro deverá passar por uma rápida cirurgia relacionada à retirada da colostomia, uma bolsa de acúmulo de fezes que foi acoplada ao seu corpo. Essa cirurgia, segundo os médicos, poderá ser feita a partir de 12 de dezembro, ou mesmo em janeiro. "É uma cirurgia muito mais simples que as demais", afirmou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias