SEGUNDO TURNO

Haddad cobra que WhatsApp tome providências contra onda de mensagens

Manchete da edição desta quinta-feira (18) da Folha de S. Paulo revela empresas bancando o disparo de mensagens contra o PT nas redes sociais

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 18/10/2018 às 13:41
Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Manchete da edição desta quinta-feira (18) da Folha de S. Paulo revela empresas bancando o disparo de mensagens contra o PT nas redes sociais - FOTO: Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Leitura:

Além de afirmar que vai acionar a Justiça contra a onda de mensagens supostamente financiada por empresas contra sua campanha, o presidenciável Fernando Haddad (PT) cobrou que o WhatsApp tome providências.

"O Whatsapp pode ajudar se quiser, pode fingir que não é com ele, mas pode ajudar se quiser. Se essa empresa tiver algum compromisso com valores, vai tomar providências e procurar evitar o que aconteceu no final do primeiro turno", disse o petista, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (18).

Haddad declarou ainda não saber se o Brasil está "preparado" para encarar o que representa Jair Bolsonaro (PSL), seu adversário no segundo turno, para o País.

PT cobra que TSE investigue ação

Reagindo à manchete da edição desta quinta-feira (18) do jornal Folha de S.Paulo, que revela empresas bancando o disparo de mensagens contra o PT pelas redes sociais, o partido emitiu uma nota cobrando um posicionamento da Justiça Eleitoral. Para a legenda, a prática configura crime de caixa dois por parte da campanha de Jair Bolsonaro (PSL).

"É uma ação coordenada para influir no processo eleitoral, que não pode ser ignorada pela Justiça Eleitoral nem ficar impune", diz a nota assinada pela Executiva do PT, que pediu na Quarta-feira (17) à Polícia Federal uma investigação sobre a disseminação de supostas notícias falsas pela campanha de Bolsonaro.

O partido diz que está tomando todas as medidas judiciais para que Bolsonaro responda "por seus crimes, dentre eles o uso de caixa 2, pois os gastos milionários com a indústria de mentiras não são declarados por sua campanha."

A legenda do presidenciável Fernando Haddad pretende entrar ainda nesta quinta-feira com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para pedir providências.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias