ELEIÇÕES 2018

TSE sugere ao WhatsApp oito propostas contra disseminação de 'fake news'

Propostas do TSE seriam aplicadas durante período de campanha eleitoral no Brasil

Isabela Veríssimo
Isabela Veríssimo
Publicado em 19/10/2018 às 16:04
Foto: AFP
Propostas do TSE seriam aplicadas durante período de campanha eleitoral no Brasil - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se reuniu com o WhatsApp para apresentar e discutir oito soluções que objetivam reduzir a disseminação de notícias falsas na plataforma, também conhecidas como 'fake news'. Com a proposta elaborada pela Safernet, organização que faz parte do Conselho Consultivo para Internet e Eleições do TSE, Thiago Tavares, presidente da ONG definiu a reunião como "produtiva e esclarecedora". As informações são do UOL Tecnologia.

Ainda que não tenha garantido fazer as alterações sugeridas, o WhatsApp se mostrou disposto a colaborar. Parte desse posicionamento veio por meio de nota, o qual afirmaram ter banido "centenas de milhares de contas" durante as eleições. Sistemas para detectar spam e combater desinformação também fazem parte da estratégia.

Sugestões do TSE

Uma das sugestões do TSE é reduzir o número limite de encaminhamentos para cinco pessoas ou grupos. Esse tipo de ferramenta já passou por uma redução na Índia. No Brasil, é possível encaminhar a mesma mensagem para 20 contatos de uma vez só.

Outro ponto é a remoção do botão "Encaminhar", ao lado das mensagens de áudio e vídeo. Essa sugestão, no entanto, seria aplicada somente nos períodos de campanha eleitoral.

Quanto aos famosos grupos com centenas de pessoas, o pedido é sobre restrição na quantidade de grupos que cada conta pode participar. Vale lembrar que, atualmente, não há limite. Para a criação de grupos, mais uma restrição: hoje é possível criar até 9.999 grupos. A proposta sugere que essa quantidade diminua para 499.

A checagem de fatos é a ferramenta principal para a diminuição das 'fake news'. O TSE sugere uma ferramenta que avise a veracidade do conteúdo compartilhado por meio do hash que identifica arquivos de mídia (imagens, vídeos e áudios).

Para completar, um estudo integrado, de forma que o TSE, meios de comunicação e a sociedade civil possam conscientizar os usuários sobre o aplicativo de mensagens e analisar a disseminação das 'fake news' no País.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias