Ministério da Justiça

Moro pode ocupar Ministério de Bolsonaro ou ir para o STF, diz presidente do PSL

O juiz, por sua vez, declarou que 'encerradas as eleições, cabe congratular o presidente eleito'

JC Trânsito
JC Trânsito
Publicado em 29/10/2018 às 8:08
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O juiz, por sua vez, declarou que 'encerradas as eleições, cabe congratular o presidente eleito' - FOTO: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

O presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebianno, disse, neste domingo (28), que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode indicar o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, ou Eliana Calmon, ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), para o Ministério da Justiça.

As informações são do Portal UOL.

Segundo o comandante da sigla, "A previsão é que o ministério seja preenchido por uma pessoa de nome, como a ministra Eliana Calmon. O nome do juiz Sergio Moro também se cogita ". Gustavo afirmou ainda que não houve conversa com os dois sobre o assunto.

Bebianno, que é advogado, também tem o nome especulado para a pasta, mas desconversou sobre a possibilidade. Para ele, Moro pode ser indicado para compor o Supremo Tribunal Federal (STF) "mais para frente". "[Moro] é um grande nome, seja onde for, na Justiça ou no STF", declarou.

Moro saúda Bolsonaro, e mulher comemora

Antes da declaração de Bebianno, Sérgio Moro desejou a Bolsonaro "que faça um bom governo". O juiz comentou que "encerradas as eleições, cabe congratular o presidente eleito", e destacou a importância de que as reformas para recuperar a economia e a integridade da administração pública sejam feitas com diálogo e tolerância.

Já advogada Rosângela Moro, mulher do magistrado, comemorou a vitória de Bolsonaro nas redes sociais. "Feliz", escreveu abaixo de uma imagem do Cristo Redentor ao lado do número 17. Rosângela vinha fazendo campanha nas redes pelo "voto consciente".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias